Sábado, 13 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,43
euro R$ 5,95
libra R$ 5,95

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,43
euro R$ 5,95
libra R$ 5,95

Justiça Segunda-feira, 24 de Junho de 2024, 19:14 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Segunda-feira, 24 de Junho de 2024, 19h:14 - A | A

CELULAR “BOMBA”

Ministro cobra informações da 12ª Vara Criminal de Cuiabá antes de decidir sobre celular de Zampieri

Advogados de Etevaldo Caçadini alegaram na reclamação encaminhada ao STF que a restrição na liberação dos dados extraídos do aparelho constitui afronta à súmula vinculante 14 da Suprema Corte

RAYNNA NICOLAS
Da Redação

Ministro Cristiano Zanin, do Supremo Tribunal Federal (STF), solicitou informações complementares à 12ª Vara Criminal de Cuiabá antes de decidir sobre o acesso integral aos dados extraídos do celular do advogado Roberto Zampieri. Autorização foi solicitada pela defesa do coronel do Exército, Etevaldo Caçadini, acusado de intermediar a execução do jurista. Despacho de Zanin é do dia 21 de junho.

Advogados de Caçadini alegaram na reclamação encaminhada ao STF que a restrição na liberação dos dados extraídos do aparelho constitui afronta à súmula vinculante 14 da Suprema Corte.

LEIA MAIS: Advogados recorrem ao STF para ter acesso integral ao celular de Roberto Zampieri

A normativa assegura aos defensores, no interesse de seus clientes, o acesso amplo aos elementos de prova que, já documentados em procedimento investigatório realizado por órgão com competência de polícia judiciária, digam respeito ao exercício do direito de defesa.

Até o momento, os juristas tiveram acesso ao conteúdo que guarda relação com as investigações sobre a execução. Entretanto, para os advogados do coronel, a limitação prejudica a elaboração da defesa.

A insistência dos advogados pela liberação integral do conteúdo do celular da vítima levou à aplicação de multa no valor de 10 salários mínimos sob a justificativa de que os defensores estariam "atrasando" propositalmente o andamento da ação penal.

"Antes de analisar o pedido de medida liminar ou o mérito desta reclamação, entendo necessário receber prévias informações do Juízo da 12a Vara Criminal da Comarca de Cuiabá/MT a respeito do que foi alegado pela parte reclamante na petição inicial, bem como acerca da data do eventual trânsito em julgado da decisão reclamada", determinou o ministro.

 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros