Quarta-Feira, 05 de Agosto de 2020, 16h:06

Tamanho do texto A - A+

Sargento que perdeu filho em confronto com o Bope presta depoimento na DHPP

Por: LUIS VINICIUS

Um sargento da Polícia Militar, identificado como P.R.A., prestou depoimento na Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) por duas horas, na manhã desta quarta-feira (5), em Cuiabá. Ele é pai de Leonardo Vinycius de Moraes Alves, 26 anos, que morreu em um confronto com policiais do Batalhão de Operações Especiais (Bope), no último dia 29 de julho, nos fundos do condomínio Residencial Belvedere 2, no bairro Itamaraty. Além do criminoso, outros cinco homens morreram na ação.

PMMT

confronto bope com 6 bandidos

 

O policial foi ouvido, pois logo após a constatação das mortes ele registrou um boletim de ocorrência relatando que a sua pistola .40 havia sido furtada com um carregador e com 15 munições de sua cautela pertencente à Polícia Militar.

Na queixa, o sargento relatou que foi dormir às 22 horas, do dia anterior aos fatos, e quando acordou não encontrou mais a arma. No boletim de ocorrência, o militar ainda relatou que no mesmo dia seu filho também não foi localizado. Diante disso, Leonardo passou a ser suspeito do furto da arma.

O policial chegou à delegacia por volta das 9 horas e deixou a unidade próximo a meio-dia. A oitiva foi realizada pela equipe delegada Eliane Moraes da DHPP. O conteúdo do depoimento não foi divulgado ao HiperNotícias.

Além dele, outros familiares dos envolvidos também serão ouvidos pelos policiais. Eles deverão ser questionados sobre o comportamento dos envolvidos dias antes do confronto.

Investigações

Trabalhos investigativos da Polícia Civil apontam que o soldado da Polícia Militar Oacy da Silva Taques Neto, 30 anos, morto também durante o confronto, trabalhava na Base da Polícia Militar, localizado no bairro Bosque da Saúde, em Cuiabá.

LEIA MAIS: Soldado da PM é um dos bandidos mortos em confronto com o Bope

Taques, como o soldado era conhecido, nasceu em Barão de Melgaço (100 km de Cuiabá) e ingressou na Polícia Militar no ano de 2011. Em determinado tempo, ele passou a trabalhar na Base do Bosque da Saúde juntamente com o sargento.

Quando Taques foi morto estava na companhia de Leonardo.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei