Sábado, 25 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,17
euro R$ 5,61
libra R$ 5,61

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,17
euro R$ 5,61
libra R$ 5,61

Justiça Sábado, 18 de Junho de 2016, 16:22 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Sábado, 18 de Junho de 2016, 16h:22 - A | A

IMPROBIDADE AMINSTRATIVA

MPE investiga prefeito por contratação irregular

REDAÇÃO

O Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio do Núcleo de Ações de Competência Originária (NACO) da Procuradoria Geral de Justiça, ofereceu nesta sexta-feira (17) denúncia contra o prefeito de Diamantino, Juviano Lincoln. A medida foi adotada após constatação de que o gestor deixou de observar as formalidades pertinentes à dispensa ou à inexigibilidade de licitação para contratação de advogado. 

 

D

mpe diamantino

 

e acordo com o coordenador do Naco, promotor de Justiça Antônio Sérgio Cordeiro Piedade, foram três contratações de um mesmo profissional,  no período compreendido entre abril a dezembro de 2009, sem a apresentação da  justificativa da contratação sem licitação prévia, da natureza singular do serviço e da notória especialização do contratado.

 

Consta na denúncia, que o ajuste inicial firmado entre o prefeito e o advogado para a realização da assessoria jurídica seria vigente por oito meses e o valor a ser pago seria de R$ 72 mil, dividido em 12 parcelas de R$ 6 mil. O referido compromisso, no entanto, foi rescindido em junho de 2009, sem o apontamento dos motivos pela Administração Municipal. Dois dias após a rescisão, segundo o MPE, uma nova contratação foi realizada com validade até 31 de dezembro do mesmo ano, pela quantia de R$ 24 mil, dividida em quatro vezes de R$ 6 mil.

 

“Em 31/12/2009, o denunciado formalizou termo aditivo ao aludido contrato de inexigibilidade por mais um ano, fixando como termo final a data de 31/12/2010, sem definir o valor total da contratação. Contudo, antes da prorrogação completar dois meses, em 16/02/2010, o denunciado firmou o distrato com o profissional da advocacia. Apurou-se que, o rompimento da avença se deu em razão de estar vago o cargo de Chefe de Gabinete da Prefeitura, pois no dia seguinte, 17/12/2010, o advogado foi nomeado para ocupá-lo”,  destacou.

 

Também pesa contra o prefeito, a acusação de que ele utilizou os serviços do profissional contratado pela Administração  para a defesa de interesse particular em ação judicial destinada a obter direito de resposta c/c danos à imagem . Segundo o Ministério Público, até mesmo as despesas processuais foram pagas com dinheiro público.

 

Na denúncia, o MPE requer a condenação do prefeito pelos crimes previstos no artigo 89, “caput”, da Lei 8.666/93, por três vezes, e artigo 1º, inciso I, do Decreto-Lei nº 201/67. A prática de atos com violação de dever para com a Administração Pública poderá resultar, inclusive, na perda do cargo e suspensão dos direitos políticos do denunciado.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros