Sábado, 15 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,38
euro R$ 5,76
libra R$ 5,76

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,38
euro R$ 5,76
libra R$ 5,76

Justiça Quinta-feira, 23 de Maio de 2024, 08:06 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quinta-feira, 23 de Maio de 2024, 08h:06 - A | A

INDENIZATÓRIA DA COVID

Justiça nega equiparar verbas pagas a servidores da linha de frente a "chefes" de hospitais na pandemia

O juiz Bruno D"Oliveira Marques citou súmula do Supremo Tribunal Federal (STF) que veda ao Poder Judiciário, que não tem função legislativa, aumentar vencimentos de servidores públicos

RAYNNA NICOLAS
Da Redação

O juiz Bruno D'Oliveira Marques, da Vara Especializada em Ações Coletivas, julgou improcedente ação do Sindicato dos Servidores Públicos da Saúde do Estado de Mato Grosso (Sisma) que buscava equiparar a verba indenizatória extraordinária de combate à covid-19 paga aos servidores que tiveram contato direto com os pacientes e aqueles em cargo de chefia. A entidade também pleiteava o pagamento retroativo da diferença, com correção monetária, e juros de 0,5% ao ano. 

Na ação, o Sisma alegou que, embora estivessem na linha de frente e expostos a maiores riscos, a maior parte dos servidores lotados nos hospitais públicos receberam verba indenizatória muito abaixo daqueles em cargo de chefia durante a pandemia. 

No processo, o Estado argumentou que criou a compensação como forma de reconhecer o trabalho dos profissionais da saúde no momento de emergência global e que os valores consideraram critérios como a ocupação, atividade desempenhada, complexidade e responsabilidade regimental e institucional de acordo com o cargo/perfil e composição do organograma da unidade hospitalar. 

O juiz Bruno D'Oliveira Marques, por sua vez, citou súmula do Supremo Tribunal Federal (STF) que veda ao Poder Judiciário, que não tem função legislativa, aumentar vencimentos de servidores públicos sob o fundamento da isonomia.

O magistrado anotou que, ainda que nesse caso a verba em questão seja de natureza indenizatória, o teor do verbete pode ser aplicado por analogia, "uma vez que tanto as concessões de vencimentos quanto de verbas indenizatórias submetem-se ao princípio da reserva legal. Assim, cumpre ao Legislativo, e não Poder Judiciário, a concretização do direito". 

"Deste modo, não compete ao Poder Judiciário alterar os parâmetros verba indenizatória objeto dos autos, sob pena de afrontar o princípio constitucional da separação entre os Poderes, considerando que estes são harmônicos e independentes entre si, nos termos do art. 2º da Constituição Federal", explicou ao negar os pedidos.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros