Terça-feira, 25 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,39
euro R$ 5,79
libra R$ 5,79

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,39
euro R$ 5,79
libra R$ 5,79

Cidades Sexta-feira, 24 de Maio de 2024, 15:42 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Sexta-feira, 24 de Maio de 2024, 15h:42 - A | A

POR TEMPO INDETERMINADO

Sete dias depois da UFMT, professores da Federal de Rondonópolis aprovam greve geral

Suspensão das atividades de aula na UFR começa no dia 3 de junho; técnicos-administrativos da instituição já estão em greve desde o mês de março

JOLISMAR BRUNO
Da Redação

Pouco menos de uma semana depois de os professores da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) aprovarem a greve geral na instituição, agora foi a vez dos docentes da Universidade Federal de Rondonópolis (UFR), a 217 quilômetros de Cuiabá, aderirem à paralisação. Na UFMT, a greve foi aprovada no dia 17 maio e iniciou nesta segunda-feira (20). A suspensão das atividades na UFR começa no dia 3 de junho de 2024 por tempo indeterminado. As reivindicações são as mesmas dos professores da UFMT, reajuste salarial e a recomposição do orçamento das instituições públicas de ensino superior. 

LEIA MAIS: Professores da UFMT aprovam greve geral a partir de segunda-feira em todos os campi

A votação que culminou na aprovação da greve na UFR ocorreu nesta quinta-feira (23). Foram 86 votos favoráveis contra 28 contrários. Tiveram apenas três abstenções. Assista o vídeo do momento em que é aprovada a greve durante assembleia. 

Cabe destacar quer na UFR, assim como também na UFMT, os técnicos-administrativos da Educação (TAE) já estão em greve desde o mês de março. 

LEIA MAIS: técnicos-administrativos da Federal de Rondonópolis também aderem à greve nacional

Conforme já reportado pelo HiperNotícias, o governo federal anunciou reajuste zero aos docentes das universidades federais para o ano de 2024, sendo que o Fórum Nacional das Entidades do Serviço Público Federal (Fonasefe), que representa a categoria, propôs o rejuste de 7,06%. A recomposição de 4,6% só será feita em 2025, segundo divulgado, o que também não atende ao pedido do Fonasefe para o ano seguinte, que é também de 7,06%. 

Os professores ainda defendem que, desde 2016, as despesas com as universidades estão no mesmo patamar. Em 2016, foram destinados R$ 48,9 bilhões; em 2022, R$ 48,1 bilhões, e, em 2023, R$ 49,2 bilhões.

OUTROS PROFISSIONAIS E INSTITUIÇÕES EM GREVE EM MT

Todo o movimento de greve teve início com os TAEs das instituições de ensino superior. Na UFMT, esses profissionais paralisaram as atividades no dia 14 de março deste ano. Desde então, seguem sem exercer as atividades. 

LEIA MAIS: técnicos da UFMT aderem à greve nacional

Os servidores de 18 unidades do Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT) também estão com as atividades paralisadas desde o dia 1º de abril.

LEIA MAIS: professores e técnicos do IFMT aprovam greve com início para quinta-feira

Em todos os casos, as principais reivindicações são o reajuste salarial, a recomposição do orçamento das universidades e o plano carreira. 

VEJA VÍDEO

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros