Sábado, 15 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,38
euro R$ 5,76
libra R$ 5,76

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,38
euro R$ 5,76
libra R$ 5,76

Polícia Quarta-feira, 05 de Junho de 2024, 10:08 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quarta-feira, 05 de Junho de 2024, 10h:08 - A | A

OPERAÇÃO RAGNATELA

Faccionados pagaram R$ 800 mil em espécie para comprar casa de shows e lavar dinheiro do tráfico

Ao todo, quatro casas de shows na Capital tiveram as atividades suspensas devido às investigações, duas delas na avenida Beira Rio

RAYNNA NICOLAS E SABRINA VENTRESQUI
DA REDAÇÃO/DO LOCAL

Faccionados do Comando Vermelho pagaram R$ 800 mil em espécie para adquirir uma casa noturna em Cuiabá, utilizada para lavagem de dinheiro do tráfico. A partir de então, segundo investigações da Força Integrada de Combate ao Crime Organizado de Mato Grosso (FICCO/MT), a facção criminosa começou a promover e financiar shows de artistas nacionais avalizados por ela para dar continuidade ao esquema. 

Dentre as ordens, estava a não contratação de artistas de São Paulo, sob pena de represálias. No estado, a facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), rival do Comando Vermelho, é predominante. 

De acordo com as investigações, um dos promoters, assessor parlamentar do vereador Paulo Henrique, foi o responsável por trazer o funkeiro MC Daniel, de São Paulo, à Musiva, em dezembro do ano passado. O artista foi hostilizado pelos faccionados do Comando Vermelho e deixou o show escoltado na ocasião. Posteriormente, um comunicado atribuído ao CV foi emitido proibindo o MC de fazer novos shows em Mato Grosso. 

LEIA MAIS: "Everton Detona" é alvo da operação sobre esquema de shows bancados por facção criminosa; veja vídeo

Segundo o Ficco, o promoter e faccionado que promoveu o show foi punido pelo grupo com a pena de ficar sem realizar shows e frequentar casas noturnas em Cuiabá, pelo período de dois anos.

Ao todo, quatro casas de shows na Capital tiveram as atividades suspensas devido às investigações, duas delas na avenida Beira Rio. 

A organização contava ainda com o apoio de agentes públicos responsáveis pela fiscalização e concessão de licenças para a realização dos shows, que agiam sem observância da legislação de posturas e recebendo, em contrapartida, benefícios financeiros.

Clique aqui  e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros