Sábado, 15 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,38
euro R$ 5,76
libra R$ 5,76

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,38
euro R$ 5,76
libra R$ 5,76

Polícia Quarta-feira, 05 de Junho de 2024, 09:43 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quarta-feira, 05 de Junho de 2024, 09h:43 - A | A

PROMISSOR EM CUIABÁ

"Everton Detona" é alvo da operação sobre esquema de shows bancados por facção criminosa; veja vídeo

Busca e apreensão foram cumpridas na casa dele, no CPA; esquema tem participação de agentes públicos, inclusive de um vereador de Cuiabá, como aponta a polícia

RAYNNA NICOLAS E SABRINA VENTRESQUI
Da Redação/Do Local

O DJ Everton Detona, considerado um dos mais promissores de Cuiabá, é um dos alvos da 'Operação Ragnatela', deflagrada nesta terça-feira (5) contra membros do Comando Vermelho que utilizavam casas noturnas em Cuiabá para lavar dinheiro do tráfico. A Polícia Federal ainda não confirmou qual o envolvimento do DJ no esquema. Ele foi alvo de mandado de busca e apreensão cumprido na casa dele, no CPA, na Capital. Dentre os itens apreendidos está seu veículo BMW 320i, que comprou há duas semanas, conforme postagem em suas redes sociais. 

HNT

BMW Everton Detona

 

De acordo com as informações da Força Integrada de Combate ao Crime Organizado de Mato Grosso (FICCO/MT), faccionados adquiriram por R$ 800 mil uma casa de festas onde realizavam shows de artistas nacionais avalizados pela facção para lavagem de dinheiro. 

Para isso, eles também contavam com o auxílio de agentes públicos responsáveis pela fiscalização e concessão de licenças para a realização dos shows, que agiam sem observância da legislação de posturas e recebendo, em contrapartida, benefícios financeiros. Um vereador, que também recebia propina, intermediava as negociações. Ele não teve o nome revelado. 

Durante as apurações, identificou-se também esquema para a introdução de celulares dentro de presídios, bem como, a transferência de lideranças da facção para estabelecimentos de menor rigor penitenciário, a fim de facilitar a comunicação com o grupo investigado que se encontrava em liberdade.

Aproximadamente 400 policiais cumprem oito mandados de prisão preventiva e 36 de busca e apreensão nos estados de Mato Grosso e Rio de Janeiro, além do sequestro de imóveis e veículos, bloqueio de contas bancárias, afastamento de servidores de cargos públicos e suspensão de atividades comerciais. As ordens judiciais foram expedidas pelo Núcleo de Inquéritos Policiais da Comarca de Cuiabá.

 LEIA MAIS: Oito são alvos de mandado de prisão em ação da PF contra grupo que usava boates para lavar dinheiro de facção

VEJA VÍDEO

Clique aqui  e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros