Brasil Terça-feira, 23 de Agosto de 2011, 15:28 - A | A

Terça-feira, 23 de Agosto de 2011, 15h:28 - A | A

REAJUSTE

OAB critica decisão que autoriza supersalários no Senado

TRF liberou o pagamento de comissões e gratificações além do teto salarial de R$ 26,7 mil

DA FOLHA DE SÃO PAULO

O presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Ophir Cavalcante, criticou a decisão da Justiça que liberou o pagamento de comissões e gratificações além do teto salarial de R$ 26,7 mil a funcionários do Senado.

Para o advogado, a decisão deve ser vista com preocupação. "O correto para o gestor público é que efetue o corte pelo teto e que as pessoas que se sentirem prejudicadas procurem o Judiciário e não o contrário: o poder público defender o individual contra a Constituição e a sociedade", afirmou Ophir, lembrando que o teto salarial foi definido pela Constituição.

Ontem, o presidente do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, Olindo Menezes, suspendeu uma liminar que impedia o Senado de pagar verbas como comissões, gratificações e horas extras acima do limite estabelecido pela lei.

O teto de R$ 26,7 mil equivale ao salário de um ministro do STF (Supremo Tribunal Federal).

De acordo com o presidente do TRF, a manutenção da liminar poderia lesar a "ordem pública" porque, feito de forma abrupta, o corte nos salários inviabilizaria o funcionamento dos serviços públicos do Senado.

Citando a independência dos Poderes, o presidente afirmou ainda que o Senado, "responsável por editar medidas sobre o pagamento de seus funcionários", agia de acordo com uma norma da Casa que existe desde 2005.

A liminar, agora suspensa, foi embasada no mesmo argumento de "risco de lesão à ordem pública" provocado pelos altos salários.

Ela foi dada em um processo iniciado em maio pelo Ministério Público Federal do Distrito Federal, que ajuizou ações similares contra a Câmara e a União.

A Procuradoria se baseou em relatório do TCU (Tribunal de Contas da União) que estimou que, em agosto de 2009, 464 servidores do Senado receberam acima do teto.

Para a Procuradoria, esse número deve ser bem maior, já que houve reajuste dos salários em julho de 2010.

A liminar chegou a incidir sobre duas folhas de pagamento do Senado --dos meses de julho e agosto.

Clique aqui  e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros