Sexta-feira, 19 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,58
euro R$ 6,09
libra R$ 6,09

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,58
euro R$ 6,09
libra R$ 6,09

Justiça Quinta-feira, 13 de Junho de 2024, 13:41 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quinta-feira, 13 de Junho de 2024, 13h:41 - A | A

ACUSADO DE FRAUDES

Justiça mantém decisão que livrou deputado de bloqueio de R$ 180,6 mil

Valmir Moretto é acusado de participar de esquema de fraudes a licitações no Vale do Jauru

RAYNNA NICOLAS
Da Redação

Acórdão da Segunda Câmara Criminal de Cuiabá isentou o deputado estadual Valmir Moretto (Republicanos) de bloqueio de bens na ordem de R$ 180,6 mil. Decisão colegiada, publicada no dia 7 de junho, seguiu voto da relatora, desembargadora Maria Aparecida Ferreira Fago.

Na origem, ação civil pública imputa a Valmir Moretto participação num esquema de fraudes a licitações no Vale do Jauru. Além dele, outras pessoas físicas e jurídicas teriam participado das fraudes. 

O modus operandi, de acordo com o Ministério Público, se dava mediante a participação das mesmas empresas nos certames, dando aparência de concorrência, quando na verdade o resultado já estava pré-determinado e o real executante do contrato não seria necessariamente a pessoa jurídica vencedora. 

O órgão ministerial pediu o bloqueio de bens dos acusados para garantir a reparação da suposta lesão ao erário. Contudo, juiz de piso entendeu no sentido contrário. Decisão considerou as alterações na lei de improbidade administrativa que passou a exigir a comprovação de risco de dano e perigo da demora para concessão da medida. 

No segundo grau, o MP ratificou o pedido justificando que os requisitos para decretação da indisponibilidade dos bens dos acusados encontram-se amplamente demonstrados pela confusão patrimonial promovida entre os réus a partir do esquema reiterado de fraudes a procedimentos licitatórios na região.

Relatora, porém, consignou que a necessidade de decretação da indisponibilidade dos bens não pode ser presumida. Em observância à legislação, o MP deveria apresentar provas acerca da hipótese de que o réu esteja dilapidando os bens com a finalidade de frustrar eventual ressarcimento ao erário. 

Voto foi seguido por unanimidade. 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros