Quarta-feira, 24 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,59
euro R$ 6,07
libra R$ 6,07

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,59
euro R$ 6,07
libra R$ 6,07

Justiça Terça-feira, 23 de Agosto de 2022, 14:05 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Terça-feira, 23 de Agosto de 2022, 14h:05 - A | A

VENDA DE IMÓVEIS PÚBLICOS

Ex-prefeito de Confresa e outros cinco são denunciados por fraudes de R$ 15 milhões

O grupo conseguiu arrecadar lucros volumosos por meio de transações imobiliárias envolvendo imóveis públicos, em especial, áreas em projetos de assentamentos

Da Redação

O ex-prefeito de Confresa, Gaspar Lazari (1.167 km de Cuiabá) e outras cinco pssoas foram denunciadas pelo Ministério Público Federal (MPF) pelo suposto envolvimento em transações imobiliarias fraudulentas. O prejuízo estimado ultrapassa R$ 15 milhões. Além do ex-prefeito, estão entre os denunciados a esposa dele, seu filho e dois servidores do Instituto de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

Segundo o MPF, as denúncias são fruto da Operação Usurpare, realizada em março deste ano com o objetivo de apurar crimes na aquisição e revenda de imóveis públicos em Confresa. 

O início das investigações foi marcado pela Operação Tapiraguaia, deflagrada em 30 de janeiro de 2019. Com a análise do material apreendido, verificou-se a atuação de um grupo que conseguiu arrecadar lucros volumosos por meio de transações imobiliárias envolvendo imóveis públicos, em especial, áreas em projetos de assentamentos, tanto em zona de consolidação urbana quanto em zona rural, com a participação de servidores do Incra e da Prefeitura Municipal de Confresa.

O maior beneficiário desse esquema atuava de forma direta enquanto era o prefeito do município de Confresa, e indireta, utilizando-se de sua influência política nos órgãos públicos responsáveis pela regularização dos imóveis comercializados. As investigações revelaram que o denunciado adquiriu, por meio de fraude, imóveis do Programa Nacional de Reforma Agrária, mediante a inserção de dados falsos em formulários do Incra, com a ajuda de servidores da instituição.

Para se ter uma ideia das fraudes realizadas pelos acusados, o ex-prefeito conseguiu adquirir um lote do Projeto de Assentamento Independente I utilizando o nome de sua filha, omitindo sua idade e apresentando declarações falsas nos formulários do Incra.

No referido caso, a denunciada tinha apenas 17 anos quando foi homologada como assentada, em 2004. Os servidores do Incra, denunciados como participantes do grupo criminoso, realizaram vistoria no referido lote e consignaram no documento que a denunciada ocupava o imóvel desde 10 de agosto de 1988 e que ela era titular da posse do imóvel rural.

“Chama atenção o fato de que (a pessoa) nasceu em 29 de junho de 1987, ou seja, a requerente foi considerada como assentada desde quando tinha apenas 1 ano e 42 dias de nascida. Para não ter impedimento legal, foi inserido no espelho Sipra de (...) que sua data de nascimento ocorreu em 1º de janeiro de 1910. Mesmo em conferência de dados, a sua data de nascimento não era observada pelos servidores do Incra”, ressaltou o MPF na denúncia. 

Com as informações levantadas durante a Operação Usurpare, estimou-se que as operações imobiliárias com os imóveis públicos ultrapassem o montante de R$ 15,1 milhões. Em relação ao dano moral coletivo, o MPF entende por devida a mesma quantia referente ao dano material, ou seja, R$ 15,1 milhões.

Com base nisso, o MPF pede na denúncia que, caso condenados, seja fixado o valor de R$ 30,3 milhões a ser restituído a título de prejuízo causado.

 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros