Domingo, 16 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,38
euro R$ 5,76
libra R$ 5,76

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,38
euro R$ 5,76
libra R$ 5,76

Justiça Quinta-feira, 16 de Maio de 2024, 19:54 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quinta-feira, 16 de Maio de 2024, 19h:54 - A | A

APONTA INVESTIGAÇÃO

"Braço direito" de Zema em Brasília servia de laranja para delegado que chefiava "gabinete do crime"

Geordan Fontenelle, delegado de Peixoto de Azevedo, foi alvo da Operação Diaphthora que apura corrupção na delegacia da cidade

RAYNNA NICOLAS
Da Redação

Investigações da Polícia Civil indicam que o 'braço direito' do governador de Minas Gerais, Romeu Zema, em Brasília, atuava como 'laranja' do delegado de Peixoto de Azevedo (673 km de Cuiabá), Geordan Fontenelle, preso na Operação Diaphthora. Bruno Ornelas aparece como sócio-administrador da GF Consultoria em Segurança Ltda, contudo, as evidências indicam que o comissionado do governo mineiro não mantém negócios em Mato Grosso. 

No período em que, em tese, estaria exercendo as funções de administrador da empresa de segurança privada, Ornelas estampava os jornais sob acusações de envolvimento em esquemas de corrupção. Dentre os escândalos consta a cobrança de propina no valor de R$ 100 mil para viabilizar a nomeação  de um advogado no Departamento de Trânsito de Goiás. 

"Os eventos mencionados nas reportagens acima colocam em questionamento a conduta de BRUNO VEIRA ORNELAS, sócio do Delegado GEORDAN, que tem seu nome envolvido em esquema de corrupção no Estado de GOIÁS, e que, por serem publicações recentes, reforça o fato de que, aparentemente, BRUNO ORNELAS não exerce nenhuma atividade no Estado de Mato Grosso", diz trecho do relatório da investigação. 

Os serviços da GF Consultoria em Segurança Ltda, por sua vez, eram negociados com garimpeiros da região por intermédio de um advogado. Além da segurança privada, Fontenelle é investigado por oferecer outras vantagens aos garimpeiros, a exemplo de 'acomodações especiais' na delegacia para os empresários alvos de operação. 

O local, destinado na verdade aos servidores da Polícia Civil, era loteado pelo delegado que chegou a cobrar até R$ 10 mil pela 'diária' no local. Quem pagava pela 'hospedagem' contava com ar-condicionado e outras benesses incompatíveis com as celas comuns.

LEIA MAIS:  Delegado acusado de chefiar “gabinete do crime” em Peixoto é solto pela Justiça

Fontenelle chegou a ser preso em abril, mas foi beneficiado com habeas corpus nesta semana. Decisão da Quarta Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) determinou a soltura do delegado. Em contrapartida ao relaxamento da prisão, a decisão colegiada impôs uma série de cautelares ao policial como monitoramento eletrônico, suspensão do porte de arma e afastamento do cargo.  

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros