Quinta-feira, 23 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,15
euro R$ 5,58
libra R$ 5,58

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,15
euro R$ 5,58
libra R$ 5,58

Justiça Quinta-feira, 16 de Maio de 2024, 13:02 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quinta-feira, 16 de Maio de 2024, 13h:02 - A | A

COM TORNOZELEIRA

Delegado acusado de chefiar “gabinete do crime” em Peixoto é solto pela Justiça

Decisão levou em consideração parecer favorável do Ministério Público

RAYNNA NICOLAS
Da Redação

A Quarta Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) concedeu habeas corpus ao delegado Geordan Fontenelle, preso na Operação Diaphthora, no fim do mês de abril. Ele é acusado de liderar um esquema de corrupção na delegacia de Peixoto de Azevedo (673 km de Cuiabá) em benefício de garimpeiros da região. Decisão que determinou a soltura levou em consideração parecer favorável do Ministério Público.

Em contrapartida à prisão, foram determinadas aos delegado outras medidas cautelares, dentre elas, o monitoramento eletrônico, afastamento do cargo e suspensão do porte de arma de fogo. 

Além disso, foi determinado o comparecimento a todos os atos judiciais, além de periodicamente no prazo e nas condições a serem fixadas na origem, para fins de informar e justificar suas atividades; proibição de qualquer contato com as testemunhas, vítimas, corréus e demais envolvidos na investigação e proibição de acesso à Delegacia de Peixoto de Azevedo, Matupá e de outras da região norte do Estado, assim como em manter contato com seus servidores policiais e outros que ali trabalhem. 

Por fim, Geordan também não poderá se ausentar da cidade em que resida ou de se mudar de endereço sem autorização prévia do juízo de origem e terá que entregar o passaporte à Justiça. 

Dentre os fatos apontados na investigação contra o delegado estão a cobrança de propina para acomodações "especiais" na delegacia, o recebimento de propina paga por garimpeiros para os quais Geordan e outros policiais atuavam, em tese, como seguranças. 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Benedito da costa 16/05/2024

Certo! Ninguem falou em demissão dele, se vai ficar recebendo e ele solto é um perigo

positivo
0
negativo
0

1 comentários

1 de 1

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros