Quinta-feira, 25 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,66
euro R$ 6,14
libra R$ 6,14

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,66
euro R$ 6,14
libra R$ 6,14

Brasil Segunda-feira, 18 de Março de 2024, 19:45 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Segunda-feira, 18 de Março de 2024, 19h:45 - A | A

Ex-chefe da FAB diz que Ciro Nogueira 'agride' instituição militar por apoio a 2026

CONTEÚDO ESTADÃO
da Redação

O ex-comandante da Aeronáutica, brigadeiro Carlos Almeida Baptista Júnior, reagiu nesta segunda-feira, 18, aos ataques do senador Ciro Nogueira (PP-PI), ex-ministro da Casa Civil no governo Jair Bolsonaro, que o acusou de mentir no depoimento do inquérito do golpe.

Carlos Baptista e o general Marco Antônio Freire Gomes, ex-comandante do Exército, confirmaram à Polícia Federal que receberam propostas golpistas do ex-presidente Jair Bolsonaro.

Sem citá-los nominalmente, Ciro Nogueira escreveu nas redes sociais: "Quer dizer que agora um chefe, dois chefes (?) de Forças Militares testemunham um Golpe de Estado e não fizeram nada?", publicou o senador.

"Está absolutamente provado que há um criminoso inconteste. Ou o criminoso que cometeu prevaricação ao não denunciar ao País o 'golpe' ou o caluniador que o denuncia hoje, não tendo ocorrido."

Em seu perfil no X, o ex-comandante da Aeronáutica afirmou que o senador "agride a instituição militar" e usa o caso como plataforma eleitoral.

"Ao tentar apoio para as eleições de 2026, o senador Ciro Nogueira agride a instituição militar e demonstra desconhecer a lei brasileira, que estabelece que a continência militar é devida às autoridades, não às pessoas."

Carlos Baptista relatou à Polícia Federal que Bolsonaro aventou a possibilidade de golpe. Ele narrou que chegou a se retirar de uma reunião com o ex-presidente e que se recusou a receber uma proposta de decreto golpista.

O general Marco Antônio Freire Gomes atribuiu ao ex-presidente a articulação de reuniões com comandantes das Forças Armadas para discutir "hipóteses de utilização de institutos jurídicos como GLO (Garantia da Lei e da Ordem), estado de defesa e sítio em relação ao processo eleitoral".

(Com Agência Estado)

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros