Sexta-feira, 17 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,13
euro R$ 5,58
libra R$ 5,58

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,13
euro R$ 5,58
libra R$ 5,58

Política Domingo, 06 de Novembro de 2016, 14:32 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Domingo, 06 de Novembro de 2016, 14h:32 - A | A

SEM ACORDO

Presidente eleito avisa que congelamento do duodécimo pode comprometer salários de servidores

PABLO RODRIGO

O deputado estadual Eduardo Botelho (PSB), presidente eleito da Assembleia Legislativa, afirmou que não será possível aceitar o congelamento sobre os repasses do duodécimo do Legislativo para o exercício de 2017. Conforme o parlamentar, o congelamento afetaria o pagamento dos servidores públicos.

 

Marcos Lopes/HiperNotícias

Eduardo Botelho

 

"Fechamos o relatório fiscal da Assembleia Legislativa e ficou confirmado que não existe a menor possibilidade de congelamento do duodécimo. Isso afetaria diretamente a folha salarial dos nossos servidores. Vamos informar o governo que é impossível esse congelamento. Vamos apresentar os números e faremos uma outra proposta, mas o congelamento já está descartado", disse Botelho ao Hipernoticias.

 

Segundo o parlamentar, o déficit, caso o duodécimo seja congelado, seria de mais de R$ 50 milhões.

 

"Não quero citar números antes de falar com o governo. Mas diante da atual proposta, e com as responsabilidades que a Assembleia tem com o pagamento dos inativos e a questão da URV, faltaria ainda mais de R$ 50 milhões para que conseguíssemos manter os salários em dia", explicou.

 

Para o secretário-chefe da Casa Civil Paulo Taques, é legitimo os Poderes não concordarem com o congelamento do duodécimo.

 

"Essa crise é  a maior em 100 anos. A medida de congelar o duodécimo é a tentativa de amenizar essa crise. Essa é uma discussão em andamento. Se vai congelar ou não, se vai diminuir ou não, isse será decidido na Assembleia. O que devemos entender é que as decisões de hoje refletirão no futuro. Assim como decisões anteriores estão refletindo hoje no Estado. O importante é discutir isso de maneira transparente e republicana", afirmou Taques.

 

O projeto de Lei Orçamentária Anual (LOA) que o governo encaminhou para o Legislativo prevê um orçamento de R$ 18,4 bilhões para o exercício de 2017. 

 

O governo recuou da primeira proposta em reduzir o repasse dos Poderes em 15% e apresentou o congelamento do duodécimo na LOA 2017.

 

A proposta atual apresenta o repasse de R$ 1,4 bilhão para o Judiciário, R$ 821,4 milhões para o Legislativo, incluindo, o Tribunal de Contas do Estado (TCE), R$ 454,1 milhões para o Ministério Público Estadual (MPE) e de R$ 102,9 milhões para a Defensoria Pública.

 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Jorge 06/11/2016

Para os funcionários do executivo dane se não pode isso porque afeta aquilo, o governo é fraco porque qualquer pela saco fala é faz o quer. A tendência desse governo e morrer Abraçado com esse povinho dele em 2018 que assim seja já vai tarde.eu já vi o estado bagunçado assim faz tempo foi quando o padre pombo foi candidato. Agora para quem ia fazer até chover quando tivessem faltando chuva não tá virando nada.

positivo
0
negativo
0

1 comentários

1 de 1

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros