Terça-feira, 16 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,45
euro R$ 5,94
libra R$ 5,94

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,45
euro R$ 5,94
libra R$ 5,94

Política Quarta-feira, 21 de Dezembro de 2022, 18:30 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quarta-feira, 21 de Dezembro de 2022, 18h:30 - A | A

RETROSPECTIVA 2022

Márcia Pinheiro vira "plano F", mas consagra estreia na política como candidata ao governo

Primeira-dama de Cuiabá só passou a ser cotada para a disputa ao governo no fim de julho, quando outros cinco nomes haviam sido descartados

RAYNNA NICOLAS
Da Redação

As eleições de 2022 marcaram a estreia da primeira-dama de Cuiabá, Marcia Pinheiro (PV), nas disputas eleitorais. O nome já era ventilado desde abril, quando se filiou ao Partido Verde, do vice-prefeito da Capital, José Roberto Stopa. À época, contudo, nem ela nem o PV ou o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) esperavam que seu nome fosse lançado ao governo. Anunciada às pressas, a candidatura de Marcia ficou marcada como o 'plano F' do seu grupo político. 

 

Ednilson Aguiar

Marcia Pinheiro e Emanuel Pinheiro

 

LEIA MAIS: Emanuel aponta amor por Cuiabá ao justificar recuo na corrida ao governo de Mato Grosso

Desde o fim de 2021, o prefeito Emanuel Pinheiro ventilava o próprio nome para enfrentar seu rival político, o governador Mauro Mendes (UB), nas urnas. Emanuel manteve o tom até abril, quando recuou, segundo ele, "por amor a Cuiabá". O prefeito, por outro lado, já adiantava que não desistiria de encontrar um oponente para o governador reeleito. 

A primeira tentativa foi com o vice-prefeito da Capital, José Roberto Stopa, que chegou a "embarcar" na empreitada e fazer promessas em tom de campanha. O nome, contudo, encontrou resistência na recém-formada Federação Brasil da Esperança que, além do PV, abrigava partidos mais à esquerda, o PT e o PCdoB. 

Mesmo depois de embates diretos com membros da cúpula do PT, como o deputado estadual Lúdio Cabral, Stopa garantiu que a desistência do projeto de candidatura não estava relacionada às dificuldades com o partido. O vice-prefeito "desembarcou" do barco de Emanuel no fim de maio. 

LEIA MAIS: Stopa diz que desistência de disputar comando do governo de Mato Grosso é irreversível

Enquanto isso, na campanha ao Senado, o então candidato Neri Geller (PP) se aproximava, junto do senador Carlos Fávaro (PSD), de uma construção com a esquerda depois que Neri se viu encurralado pelo principal adversário, o senador Wellington Fagundes (PL), que conseguiu garantir o apoio do governador Mauro Mendes em uma construção com o presidente Jair Bolsonaro, à época recém-filiado no PL. 

Entre os meses de junho e julho, sob esse contexto, o nome de Marcia começou a ser cotado para a suplência de Neri, garantindo musculatura para a chapa na Baixada Cuiabana. Parlalemente, Emanuel investia no seu 'plano C' ao governo.

Reprodução

federação brasil da esperança

 

Depois de recuar da própria candidatura e 'perder' Stopa, o prefeito tentou emplacar o ex-prefeito de Rondonópolis, Percival Muniz (MDB), como candidato ao governo em uma construção que poderia ser favorável tanto para Emanuel, convicto na proposta do embate com Mauro Mendes, quanto para Neri Geller, que conseguiria garantir a proximidade do MDB com a sua campanha. 

LEIA MAIS: Emanuel não descarta Percival Muniz como alternativa ao governo, mas “rasga” elogios a Carlos Fávaro

Além disso, o PCdoB, que faz parte da Federação Brasil da Esperança, defendia o nome da ex-reitora da UFMT, Maria Lúcia Nader, para a disputa ao Paiaguás. O senador Carlos Fávaro também aparecia como cotado sob forte apoio de todas as lideranças do grupo político. Tanto Muniz quanto a ex-reitora e Fávaro acabaram descartando a hipótese de se tornarem candidatos. 

LEIA MAIS: Emanuel não esconde chateação com Fávaro declarando que já pensa em "plano B" ao governo

LEIA MAIS: Ex-reitora da UFMT oficializa desistência de candidatura ao governo de Mato Grosso

O nome de Marcia, portanto, só foi aparecer pela primeira vez como possível candidata ao governo no dia 26 de julho, quando todas as outras possibilidades haviam sido descartadas, uma vez que, ainda que oficializada apenas no dia 27 de julho, a desistência de Maria Lúcia Nader já tinha se tornado pública.

Havia ainda, porém, um empecilho para a concretização da candidatura: a chapa de Neri Geller, que ficou insatisfeito com a possibilidade de perder o 'peso político' da primeira-dama na suplência de seu projeto ao Senado. Com o impasse, a Federação e aliados voltaram a insistir no nome de Fávaro, considerado o mais forte e aceito, mas, nem mesmo um convide direto do então candidato à presidência Lula, do PT, foi suficiente para convencer o senador. 

LEIA MAIS: Neri não esconde insatisfação com Márcia saindo ao governo de MT

Marcia Pinheiro confirmou a candidatura no dia 4 de agosto, às vésperas do fim do prazo das convenções partidárias. A partir daí, fez uma campanha focada em ataques ao governador reeleito e em propostas voltadas a área social, capitalizando os 'cases de sucesso' do marido na gestão da Prefeitura de Cuiabá.

A estreiante terminou em segundo lugar na disputa, muito atrás do primeiro colocado. Mauro Mendes foi eleito para o segundo mandato com 68,4% dos votos válidos (1.114.549 votos) contra 16,41% de Márcia (267.172 votos). 

LEIA MAIS: Mauro Mendes derrota Márcia Pinheiro em Cuiabá com o dobro de votos

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros