Segunda-feira, 24 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,42
euro R$ 5,81
libra R$ 5,81

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,42
euro R$ 5,81
libra R$ 5,81

Justiça Terça-feira, 18 de Dezembro de 2018, 15:23 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Terça-feira, 18 de Dezembro de 2018, 15h:23 - A | A

CASO MAIS ANTIGO DE COMARCA

Sargento é condenado a 43 anos por matar três detentos dentro de cela

REDAÇÃO

O hit nas rádios era a música ‘Temporal de amor’ da dupla sertaneja, Leandro e Leonardo. Na TV a série ‘Família Dinossauro’ estava no auge e o filme nos cartazes de todos os cinemas era ‘O Guarda-Costas’. Enquanto a sociedade ainda digeria estupefata o grande massacre na Casa de Detenção de São Paulo (Carandiru), com 111 presos mortos após intervenção militar, a pacata e quase tricentenária cidade de Vila Bela da Santíssima Trindade (521 km a oeste de Cuiabá), em Mato Grosso, vivia situação semelhante com a chacina de três encarcerados no presídio local. Assim como no episódio mundialmente conhecido, pelas mãos e colaborações diretas de dois policiais militares, em 16 de março de 1992.

 

Divulgação

juizes_greve

 

Presidida pelo juiz Elmo Lamoia de Moraes, que a época dos crimes ainda frequentava o primário, o militar que liderou um grupo de extermínio e invadiu a cadeia com o intuito de assassinar três detentos foi sentenciado pelo Tribunal do Júri. Após quase 10 horas de julgamento, veredicto foi dado ao caso mais antigo da comarca ao condenar o sargento Carlos Alberto da Silva, à pena privativa de liberdade de 43 anos e seis meses de reclusão; e a absolvição do soldado Antônio Luiz Gonzaga.
 
Ao rememorar a história, os autos narram que o sargento Carlos acompanhado de dez pessoas, com a ajuda do soldado Gonzaga que abriu o portão. Liderado por Carlos Alberto os homens encapuzados dominaram dois soldados, que estavam dormindo, amarrando-lhes as mãos com corda de náilon e mantiveram–nos sob a vigilância de cinco homens fortemente armados.
 
Os demais seguindo o sargento Carlos, dirigiram-se à área onde se localizam as celas e chamaram pelo nome de Marcão. Com o auxílio de um macaco hidráulico, estouraram o cadeado da cela do preso Marcos Nunes Nery e portando armas de fogo gritaram “Marcão, viemos te buscar... sua turma caiu e te entregou”, e após as palavras seguiu-se uma saraivada de balas que atingiram Marcos, Antônio Manoel Barbosa e Darci Pereira da Silva.
 
Durante a ação criminosa o soldado Gonzaga manteve-se deitado ao solo, simulando que fora rendido pelos Sargentos Carlos e demais infratores. O sargento Carlos e os demais deixaram o presídio levando consigo Mario Ortiz Parada sendo desconhecido, até o presente, o destino que lhe deram.
 
Vinte e seis anos depois, se ainda vivo o sargento tem 58 anos e o soldado que reside ainda na cidade já alcançou o sexagésimo aniversário. Condenado há quase meio século de prisão, Carlos Alberto está sem destino certo e é considerado foragido pela Justiça.
 
O júri foi feito no último dia 29 de novembro e encerrou o Mês Nacional do Júri na comarca. Mês especial para o esforço concentrado para os tribunais de todo o país para julgar crimes hediondos – homicídio e tentativa de homicídio.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Antonio 18/12/2018

Vixi pelo período que durou o julgamento esse crime não está prescrito ou será porque é um policial militar pois se fosse algo influente como o ex presidente Lula esse processo já estava arquivado.

positivo
0
negativo
0

1 comentários

1 de 1

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros