Sábado, 18 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,11
euro R$ 5,55
libra R$ 5,55

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,11
euro R$ 5,55
libra R$ 5,55

Justiça Terça-feira, 14 de Maio de 2024, 22:12 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Terça-feira, 14 de Maio de 2024, 22h:12 - A | A

RELATÓRIO DO IBAMA

MPF investiga danos ambientais causados por desmatamento autorizado no Pantanal

O MPF tomou conhecimento através de relatórios do Ibama sobre diversas infrações em áreas com alertas de desmatamento no Pantanal mato-grossense

VANESSA ARAUJO
Da Redação

O Ministério Público Federal (MPF) apura danos ambientais no Pantanal causados por desmatamento feito com autorização da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema). A instauração da notícia de fato foi estabelecida a partir de relatório do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), referente à 'Operação Piúva', deflagada em outubro do ano passado pelo órgão. 

O MPF tomou conhecimento através de relatórios do Ibama sobre diversas infrações em áreas com alertas de desmatamento no Pantanal mato-grossense, incluindo criação de pastagens, camufladas por autorizações da Sema.  

As práticas estariam sendo acobertadas por “'Autorização de Restauração de Formações Campestres na Planície Alagável do Pantanal Mato-grossense', emitidas pelo órgão estadual de meio ambiente (Sema/MT)”, diz trecho do documento. 

O caso já é investigado pelo MPF, por meio do 4º Ofício da PR/MT, porém, apenas com relação à verificação de inconstitucionalidade das leis estaduais acerca do bioma Pantanal, que não estariam respeitando a Constituição Federal. 

Com isso, a relatora do caso, a procuradora Zani Cajueiro Tobias de Souza, votou para que o 3º Ofício da PR/MT realize as investigações acerca das supostas irregularidades encontradas no relatório do Ibama. 

A procuradora Zani Cajueiro Tobias de Souza votou para ampliar as investigações e afirmou que medidas cautelares podem ser adotadas para suspender as autorizações da Sema, se necessário.

O voto da procuradora foi seguido por unanimidade. 

OUTRO LADO

Procurada pela reportagem, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente ainda não se manifestou. O espaço segue aberto. 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros