Domingo, 16 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,38
euro R$ 5,76
libra R$ 5,76

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,38
euro R$ 5,76
libra R$ 5,76

Justiça Sexta-feira, 05 de Outubro de 2018, 11:40 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Sexta-feira, 05 de Outubro de 2018, 11h:40 - A | A

TIRO PELA CULATRA

Justiça nega direitos trabalhistas a capangas de fazenda de MT

REDAÇÃO

Os argumentos utilizados naquela audiência bem que poderiam ter saído de um livro de anedotas. O processo foi proposto por um grupo de capangas armados contratados para realizar um “serviço” nada convencional, que incluía defender a todo custo uma área de conflito nas proximidades da Gleba Cristalino, no Norte de Mato Grosso.

 

Max Aguiar/HiperNotícias

tiroteio/arma/revolver

 

Apesar de terem sido contratados para usar armas de fogo durante os procedimentos que passavam bem longe da legalidade, resolveram buscar a justiça trabalhista, em outubro de 2005, a fim de receberem as verbas e o FGTS aos quais acreditavam ter direito e não lhes haviam sido pagos pelo fazendeiro que contratara seus serviços. Eles sustentavam que podiam, sim, cobrar o que lhes era devido.
 
Afinal, não teriam eles trabalhado, cumprido horário e se esforçado tanto para cumprir tal função? É bem verdade que usavam de violência e armas de fogo mesmo sem porte de armas ou autorização policial, mas sustentaram que trabalharam duro de qualquer forma.
 
Pelas orientações recebidas, desde o início, para que escondessem a atividade da Polícia, todos ficaram sabendo que estavam fazendo algo fora da lei, segundo admitiu um dos reclamantes na audiência. E uma testemunha confirmou que viu aqueles seguranças atirando em pneus de pessoas que chegavam perto da propriedade.
 
Ao ver o contrato de trabalho declarado nulo pela juíza, Everson, um dos seguranças, questionou o fato de a sentença não ter sido proferida com base em regra do Direito do Trabalho que garante que a nulidade contratual tenha seus efeitos somente a partir da decisão.
 
Inconformados, alguns entraram com recurso para o caso ser julgado no Tribunal. Os desembargadores, por maioria, entenderam que a atividade de segurança armada sem a respectiva autorização policial é ilícita, apresentando um tipo de nulidade que não tem solução e não pode gerar quaisquer efeitos. Ao final, a decisão da Vara de Alta Floresta foi mantida no TRT, e o caso foi encerrado.
 
Foi um tiro que acabou saindo pela culatra: eles não só perderam a causa, como o caso foi encaminhado ao Ministério Público do Trabalho e Ministério Público Estadual. O destino certo para um caso que deveria correr não na justiça trabalhista, mas na criminal.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros