Terça-Feira, 07 de Janeiro de 2014, 18h:00

Tamanho do texto A - A+

Polícia mata deficiente mental e auditivo que não obedeceu ordem

Deficiente não ouviu chamado da Polícia; único disparo dado acertou o tórax da vítima que morreu na hora

Por: MAX AGUIAR






A Polícia Militar atirou e matou um deficiente mental e auditivo que desobedeceu a ordem de parada nesta tarde (7) em Cuiabá. O homicídio aconteceu na região do Monte Líbano, quando várias pessoas saíam do trabalho e passavam pelo local.

De acordo com a própria PM, a vítima identificada como Ademar Silva Oliveira Junior, 19, estava armada com uma faca de mesa na cintura quando a viatura chegou. Ele não obedeceu a ordem de parada e avançou no policial que atirou em seu abdômen.

Max Aguiar/HiperNotícias

Polícia mata deficiente mental e auditivo que não obedeceu ordem


“Apenas um tiro foi disparado. Nós fomos chamados para atender uma ocorrência de ameaça, onde um homem estava armado. Chegamos e ele não atendeu nossa ordem e partiu pra cima da guarnição e nesse momento um tiro foi disparado. Vale ressaltar que nosso disparo é para neutralizar a situação. Nenhum policial atira para matar”, afirmou o tenente do 10º Batalhão Reiners.

O pai da vítima, Ademar Oliveira, compareceu ao local após ficar sabendo do caso e disse que o filho é deficiente mental desde que nasceu e também é deficiente auditivo. “Meu filho toma quatro tipos de remédios diferentes por dia. Ele é surdo e com certeza não ouviu o sinal de parada. Não precisava atirar para matar. Ele é meu caçula de cinco filhos. Minha família está arrasada, mas quem acha que vamos deixar isso impune está errado. A Polícia matou uma pessoa do bem”, gritou o pai no meio da população.

Max Aguiar/HiperNotícias

O pai da vítima, Ademar Oliveira, compareceu ao local após ficar sabendo que o filho deficiente tinha sido morto pela PM


Questionado sobre o tiro em local vital, o oficial de área do 10º Batalhão voltou a afirmar que a ação não era para matar. “Não atiramos para matar ninguém. Infelizmente pegou em um lugar onde foi fatal. É uma fatalidade que ninguém esperava”, comentou o oficial.

Os policiais do 10º Batalhão continuam no local aguardando a chegada dos agentes da Delegacia de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP) e dos peritos do Instituto Médico Legal (IML).


 

 




Credito: Gabriel Soares/Hipernotícias
Avalie esta matéria: Gostei +1 | Não gostei - 1

Leia mais sobre este assunto




17 Comentários

willames - 10/01/2014

Infelizmente foi uma fatalidade, mas uma coisa é fato porque não cercaram ele e tiraram a faca dele, acredito que ele não conseguiria esfaquear todos de uma vez, ou vai dizer que o policial estava sozinho?

Giraldi - 08/01/2014

Algum dos policiais já ouviu falar em método Giraldi e POP? Ouve sim despreparo por parte da PM. A Academia de Polícia Militar possui um simulador de tiro onde os alunos passam por treinamento para atender diversos tipos de ocorrências o que seria usado neste caso, um homem em atitude suspeita de estar armado o correto era dar a ordem de parada ao cidadão, o policial se proteger atrás da VTR ou em algum lugar, dar um disparo para cima de 'atenção' para o cidadão parar. Armado com uma faca era para ser realizado o disparo nas pernas, pé ou mão, mais infelizmente a guarnição agiu de forma errada neste caso. O outro lado da história foi a dos pais do jovem morto, não cuidar e ter atenção especial ao menino já que necessitava de atenção. Permitir que um rapaz saísse de casa sem cuidados e armado com arma branca podendo colocar em risco vida de outras pessoas é falta de responsabilidade da família, já que o pai disse que ele se comportava como "criança". Um indivíduo nessa situação poderia colocar em risco a vida de qualquer pessoa andando na rua devido ao seu transtorno mental. Resumo, os dois lados agiram errados, a guarnição agiu despreparada e a família agiu com omissão e falta de preparo também nos cuidados com o filho. Agora, querer crucificar somente um lado e achar um único culpado é hipocrisia e falta de conhecimento das pessoas.

Heitor - 08/01/2014

Primeiro não deveria estar sozinho, ainda mais armado! Segundo se fosse qualquer um de vocês que esta defendendo o "coitadinho" iam fazer o que? Tomar uma facada? Erro da família que deixou ele sozinho e o policial fez o seu papel que é proteger a população e a si! Queria ver se o deficiente tivesse investido contra um familiar seu e matado!

Juliana C. A - 08/01/2014

Os dois estão errados! Primeiro o polícial podia ter atirarado em outro lugar! Perna pe sei laaa.. e outraa ele e de eficiente auditivo não ia ouvir msm ! Mas a polícia tbm não ia adivinhar!!! Então todosss estão errados tanto Policia sem experiência, quanto o rapaz! Que não deveria estar com uma faca ja que sofre problemas mentais!! #!

Everton Henrique - 08/01/2014

Essa tal de Juliana deve3 ter problema.. n sabe ler e interpretar a materia... depois quer falar merdz... enfim no Brasil. . Temos uma policia extremamente feita pra matar.. falam tanto e arma de choque e tal. Cade essas armas? So servem pra operacoes que vai aparecer n la merda da televisao? Temos que ter policiais mais preparados para excercer tal função. . Nao uma simples pessoa que termina um cursinho aqui.. faz testes fisicos e ta lah pagando de policia... #acorda #brasil

Carlos Sandrino - 08/01/2014

Culpar a polícia é fácil. Quero ver esses defensores das injustiças do mundo saírem à rua para desarmar traficante. N4ao dá para saber quem é bonzinho deficiente mental e assassino pronto para matar um policial na primeira oportunidade. Os PMs estão corretos em atirar contra alguém armado que não obedece ordem para parar. Ou será que brilhantes juízes por trás da telinha de computador sabem diferenciar uma situação de risco real de um conto da carochinha? Vão aprender mais um pouco sobre a vida nas ruas antes de falarem besteira.

José - 08/01/2014

Lendo os comentários verifico que a maioria acha que o correto seria o policial deveria levar a facada primeiro, do deficiente mental que estava transtornado, pra depois atirar. Vocês se esquecem que ele teve uma fração de segundos para tomar uma decisão envolvendo risco a vida dele e vocês tem minutos para julga lo sentados confortáveis atrás de um computador...

Gabriel Tarini - 08/01/2014

O treinamento policial é o militar, logo ele opera como se estivessemos em estado de guerra e por isso que o policial brasileiro SEMPRE atira para matar.

...... - 08/01/2014

Porq nao atirou pra cima ou na perna dele tinha q ser no peito policial filho de uma boa puta ladrao tarados latrocidas vcs tem medo ne

Maria B. Silva - 07/01/2014

Tudo bem que poderia até ser agressivo, mas a policia tem que ser preparada para qualquer situação, poderia atirar na perna,mas não, eles são preparados para matar, imagine o que podera acontecer na copa do mundo, onde teremos estrangeiros que pouco sabem o portugues. será um caos. Abre o olho Sr. Governador ou ficara na história de MT.

INíCIO
ANTERIOR
1 de 1
PRÓXIMA
ÚLTIMA







Mais Comentadas