Terça-feira, 21 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,10
euro R$ 5,53
libra R$ 5,53

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,10
euro R$ 5,53
libra R$ 5,53

Artigos Quarta-feira, 26 de Outubro de 2016, 09:29 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quarta-feira, 26 de Outubro de 2016, 09h:29 - A | A

Baixaria ou democracia?

Os termos (rótulos) “baixaria”, “todo político é igual”, “todos farinha do mesmo saco” e “temos que anular, abster ou votar em branco” são conversa fiada de quem não estuda

JOÃO EDISOM

 

Facebook

João Edisom

 

As pessoas gostam do ideal de liberdade de expressão até o momento em que começam a ouvir aquilo que não gostariam que dissessem a respeito delas. Neste momento começa o “mimimi” de quem tem raiva da democracia ou nem sabe o significado dela.

 

A eleição para a prefeitura de Cuiabá está fantástica. No dia 30 de outubro de 2016 nenhum eleitor poderá dizer que está sendo enganado ou que alguém deixou de questionar o oponente como se deveria. As propostas para gestar a cidade estão nos planos de governo registrados, publicitados no TRE (Tribunal Regional Eleitoral) e foram amplamente explorados e expostos nos programas eleitorais gratuitos de rádios e tevês.

 

Os debates? Ora, os debates em um país democrático são para um candidato explorar os pontos fracos do outro e ver se ele tem nervos e capacidade para fazer frente às demandas daquilo que pretende governar. No caso da cidade de Cuiabá isso ocorreu em pelo menos dois momentos, méritos do Grupo Gazeta, que sem gesso contribuiu muito com o aprendizado democrático.

 

É assim nas democracias consolidadas no mundo todo. Precisamos saber quem está com quem. Quem vai subir o púlpito junto com o eleito para governar. Ninguém governa sozinho. A gestão é feita em grupo. Quem ajuda ganhar também ajuda a governar. No caso de Cuiabá o prefeito indica mais de uma centena de pessoas. Então os amigos da campanha contam sim e tem que entrar no debate, tem que ser questionado.

 

Os termos (rótulos) “baixaria”, “todo político é igual”, “todos farinha do mesmo saco” e “temos que anular, abster ou votar em branco” são conversa fiada de quem não estuda e nem quer entender o que é um processo democrático. Preciso saber tudo sobre quem vou votar para governar quatro anos.

 

Cuiabá premiou seu eleitorado com pelo menos cinco candidatos completamente diferentes um do outro, com propostas diferentes uma das outras. Todas as posições estavam representadas no primeiro turno. Mais que isso é pedir para um ET vir ser candidato aqui.

 

No segundo turno estão os dois candidatos que além de tornarem pública suas propostas de gestão para o município a defenderam em seus programas eleitorais. Quem assistiu sabe disso, como deve ser na democracia.

 

Os debates de rádio ou TV descarnaram e exploraram não só o oponente como o grupo um do outro. Qualidades e defeitos postos a mesa, inclusive as suspeitas que devem ser investigadas com critério pela justiça para ninguém dizer depois que foram enganados e não sabiam em quem estavam votando. Pena que Emanuel não foi a todos os debates. Deveria ter concedido a todas as emissoras o mesmo privilégio, único ponto falho.

 

 É verdade que a justiça eleitoral (juízes e membros do Ministério Público, nem todos) mais atrapalhou que ajudou no processo didático para a aprendizagem do que é uma eleição dentro de um país democrático. Mas calma, o Judiciário também é feito de pessoas. Todos nós ainda estamos aprendendo a conviver e viver na democracia.

 

Em resumo, uma eleição democrática é isso: sem “mimimi”, candidatos com vidas expostas, parentes, amigos e correligionários escarnados durante a campanha para que ninguém se sinta enganado depois de votar. Emanuel e Wilson, ao contrário do muitos pensam, cumpriram seus papéis.

 

Ambos os candidatos com um marketing fantástico, mesmo na crise, explorando tudo que poderiam explorar. Profissionais qualificados, programas de rádio e de tevês extraordinários. O que tinha que ser feito foi feito nesta eleição que entrará para a história. Agora é com o eleitor. Quem acompanhou tudo, quem prestou atenção, entende o que estou falando. Quem escolher um dos dois com consciência é porque entendeu o que é democracia.

 

O resultado final é consequência. Pena que a campanha não tem pelo menos mais sessenta dias para que desse tempo para as denúncias serem todas investigadas. Assim, tanto o eleitor quanto o eleito teriam mais legitimidade e tranquilidade em suas escolhas e na gestão.

 

Viva a democracia! Esse viva é de viver, pois ela é para ser vivida. Ser respeitada a vontade da maioria e sem medo de ser minoria. Pois democracia é o direito de se expressar sempre, de se manifestar quando tiver vontade. Ver suas ideias vitoriosas nem sempre. Meu amigo, quem manda é a vontade da maioria. Sendo assim, baixaria é empurrar as verdades para debaixo do tapete, o que ouve ate agora é democracia.

 

*JOÃO EDISOM é Analista Político, Professor Universitário em Mato Grosso e colaborador do HiperNotícias.

Os artigos assinados são de responsabilidade dos autores e não refletem necessariamente a opinião do site de notícias www.hnt.com.br

 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Carlos Nunes 26/10/2016

O negócio é que NINGUÉM acredita em promessa de candidato, estratégia de marqueteiro, pesquisa eleitoral. Será que existe uma pessoa que chama NINGUÉM? Aí, só ela acredita nisso. Com a baita crise em que vivemos hoje, onde não se sabe realmente nem o tamanho, nem quanto tempo ela vai durar, é triste, assistir no horário eleitoral, o candidato dizer que vai fazer isso, vai fazer aquilo, mas CADÊ O DINHEIRO? Não tem, o caixa do governo está vazio, e o bolso do povo está vazio e endividado. Essa é a realidade dura, nua e crua. Só tem uma forma de encher o caixa da Prefeitura: aumentar os impostos, taxas, o IPTU, ou fazer uma Emprestação danada de dinheiro, aumentando o endividamento do município; e nenhum candidato diz se vai optar por essa solução. Claro, se disser que vai aumentar, NINGUÉM vota nele. Esse cara NINGUÉM é famoso. É igual "e o Dudu" lá na Inglaterra (how do you do?)

positivo
0
negativo
0

Maria 26/10/2016

Baixaria é uma coisa, democracia é outra. Não é problema de quem não estuda aceitar a baixaria como normal no processo democrático, mas sim de pessoas que querem justificar o que não é propositivo. Debate e propaganda eleitoral são para apresentar propostas para a população. Mas, tudo hoje é justificável, não é? Vide o que foi o processo do impeachment no congresso nacional. Aqui, em Cuiabá, o processo eleitoral é, no mínimo, algo repugnante de se ver.

positivo
0
negativo
0

2 comentários

1 de 1

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros