Política Quinta-feira, 03 de Novembro de 2011, 22:07 - A | A

Quinta-feira, 03 de Novembro de 2011, 22h:07 - A | A

EDUCAÇÃO

Silval exige mais austeridade nos contrados da Seduc no retorno de Ságuas

Governador reclama em público de empresas que vencem licitação com baixos preços e depois pedem aditamentos. Governador não fala sobre outros assuntos, inclusive caso Global Tech

Mayke Toscano/Hipernotícias

O governador Silval Barbosa (PMDB) exigiu que o novo secretário de Educação Ságuas Moraes (PT) tenha mais atenção quanto às licitações envolvendo algumas empresas que, dentro da Seduc, vêm tentando alterar o valor contratado, ou seja aquele que leva determinada empresa a vencer a licitação. A advertência foi dada de público, durante a posse de Ságuas na Seduc, no final da tarde desta quinta-feira (03).

“Vamos tentar tirar do meio aquelas empresas que na hora de vencer um processo licitatório, às vezes coloca um preço aquém da realidade, ganha a licitação e quando começa a obra, vem pedir aditivo, e até para a obra, ficando sem condições sequer de bancar a primeira medição, conforme determina a legislação”, observou o governador.

Sem dizer nomes, Silva observou que a ideia é restringir no capital, nos demonstrativos e na capacidade de execução das empresas que participam dos processos de licitação.

E é justamente sobre supostos problemas relacionados a licitações que o novo secretário Ságuas terá de responder a questionamentos que constam de uma auditoria interna que está em curso na Seduc com o objetivo de levantar informações sobre obras e reformas que estariam viciadas em erros licitatórios.

“Vale ressaltar que todos os processos já foram auditados pelo Tribunal de Contas e que as únicas licitações que a Secretaria realiza são as de escola, as demais são feitas pela SAD, como pregões eletrônicos onde todo mundo acompanha, então a gente encara isso com maior naturalidade, isso faz parte do processo democrático e ainda bem que somos fiscalizados”, disse o petista.

Sobre as obras que estariam paradas, citadas pelo governador, Ságuas Moraes respondeu que quando se abre um processo licitatório não se pode escolher a empresa que ganha a licitação, e que geralmente essa empresa precisa ter pelo menos 20% do valor da obra como capital de giro.

GLOBAL TECH

Silval Barbosa se recusou a responder sobre qualquer outro assunto diferente da pauta desta quinta, que era somente sobre a transição no comando da Seduc.

Esperava-se para esta tarde um posicionamento do governador sobre o contrato firmado entre a Secretaria da Copa (Secopa) e a empresa Global Tech, beneficiada com a dispensa de licitação no valor de R$ 14 milhões para aquisição de sistemas de vigilância montados sobre veículos land Rover, equipados com alta tecnologia para serem usados no monitoramento da fronteira entre Mato Grosso com a Bolívia.

O Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT), conforme noticiou o HiperNoticias com exclusividade, concluiu relatório apontando várias falhas graves no contrato firmado com empresa, que sequer teria know-how para se responsabilizar por equipamentos importados da Rússia, que por sinal, deveriam receber a autorização Exército Brasileiro para seu funcionamento em Mato Grosso, o que de acordo com resposta do próprio Exercito, não ocorreu.

ROSA NEIDE

A ex-secretária Rosa Neide, que sucedeu Ságuas na sua Seduc e permaneceu cargo até ontem, vai ocupar um cargo de Assessoria Especial na Seduc, mas não será Adjunta, conforme cheguo a ser cogitado pela imprensa.

Clique aqui  e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros