Sábado, 25 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,17
euro R$ 5,61
libra R$ 5,61

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,17
euro R$ 5,61
libra R$ 5,61

Política Segunda-feira, 06 de Junho de 2016, 18:49 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Segunda-feira, 06 de Junho de 2016, 18h:49 - A | A

POLÊMICA DA RGA

Bussiki descarta crise institucional e diz que foi mal interpretado sobre fala em vídeo

RENAN MARCEL

O secretário de Estado de Planejamento José Bussiki Figueiredo afirma que as suas declarações em uma reunião com o Fórum Sindical, gravadas e divulgadas nesta semana, foram mal interpretadas.

 

GCom-MT

jose bussiki

 

Na ocasião, conforme é possível ver no vídeo abaixo, Bussiki explica aos servidores a inexistência da previsão da Revisão Geral Anual (RGA) no orçamento do Estado.

 

Em certo momento, o secretário lembra os sindicalistas que a Lei Orçamentária Anual (LOA) foi aprovada pelos deputados estaduais, sem a RGA. A declaração foi interpretada como uma tentativa de “culpar” a Assembleia Legislativa pelo não pagamento da RGA.

 

Na explicação, ele conta ainda que a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2016 previa 7,5% de recomposição para os servidores de Mato Grosso. No entanto, quando o Executivo elaborou e encaminhou a LOA para a Assembleia Legislativa, segundo o gestor, não havia mais orçamento. Por isso, a LOA foi enviada sem a previsão de reposição.

 

“Eu explicava que um dos princípios fiscais é garantir que a despesa não seja maior que o orçamento. E como não havia recursos, a LOA não trouxe a RGA”, defende-se.

 

Para o secretário, até mesmo o presidente da Casa de Leis, deputado estadual Guilherme Maluf (PSDB), teria interpretado erroneamente as declarações de Bussiki.

 

Com a repercussão do vídeo, Maluf chegou a classificar como irresponsáveis e precipitadas as declarações do secretário, que pode até ser convocado pelos deputados para prestar esclarecimentos.

 

“Sempre que for solicitado, é claro que vou prestar esclarecimento”, garante Bussiki sobre o assunto.

 

Apesar da receptividade negativa na Assembleia, Bussiki não vê gravidade na situação e descarta uma crise institucional. “As instituições são maduras. Não tem motivo para transformar isso em um campo de batalha, em uma crise institucional. Não vejo essa gravidade toda”, avalia.  

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros