Terça-feira, 21 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,10
euro R$ 5,53
libra R$ 5,53

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,10
euro R$ 5,53
libra R$ 5,53

Justiça Quarta-feira, 29 de Junho de 2016, 09:48 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quarta-feira, 29 de Junho de 2016, 09h:48 - A | A

CONCILIAÇÃO

Tribunal de Justiça abre dissídio coletivo para pagamento da RGA

JESSICA BACHEGA

O desembargador Sebastião Moraes Filho, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, recebeu nesta terça-feira (28) o pedido de dissidio coletivo solicitado pelo Sindicato dos Servidores Penitenciários (Sidspen) para o pagamento da Revisão Geral Anual (RGA) de 11,28%.

 

Marcos Lopes/HiperNotícias

Agentes Penitenciários/SINDSPEN-MT/greve/assembleia

 

De acordo com o setor jurídico do sindicato, como o processo já foi recebido pelo Tribunal de Justiça (TJMT), o Estado deve ser notificado a apresentar uma proposta para os servidores em audiência de conciliação a ser marcada pela Justiça.

 

Os agentes penitenciários estão em greve desde o dia 31 de maio. Várias rebeliões já foram registradas desde então, tantode presos e quanto de parentes de detentos inconformados pela falta de visitas.  Um dos fatos mais marcantes da greve foi a série de atentados contra agentes penitenciários e incêndio de três ônibus na Capital.

 

Atendendo à disposição legal, apenas 30% do efetivo está nas unidades prisionais, o que representa atendimento restrito aos serviços essenciais aos reeducandos, que compreende saúde e alimentação.

 

Os dissídios coletivos são ações propostas à Justiça do Trabalho por pessoas jurídicas (Sindicatos, Federações ou Confederações de trabalhadores ou de empregadores) para solucionar questões que não puderam ser solucionadas pela negociação direta entre trabalhadores e empregadores.

 

Em conflito há semanas, os servidores reprovaram todas as propostas feitas pelo governo. Tramita na Assembleia Legislativa um projeto que consiste no pagamento de 6%, parcelados em três vezes, e vincula os 5,28% restantes ao cumprimento dos limites impostos pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) para os gastos com pessoal. 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros