Quinta-feira, 18 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,48
euro R$ 6,00
libra R$ 6,00

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,48
euro R$ 6,00
libra R$ 6,00

Justiça Terça-feira, 19 de Março de 2024, 15:02 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Terça-feira, 19 de Março de 2024, 15h:02 - A | A

DUPLAMENTE QUALIFICADO

Justiça condena a mais de 13 anos homem que tentou matar namorado de ex-mulher

Motivo do crime foi ciúmes e sentimento de posse por parte de Adriano Zark que não aceitava o término de seu relacionamento

DA REDAÇÃO

O réu Adriano Zark foi condenado a 13 anos e oito meses de prisão na última sexta-feira (15) por tentativa de homicídio duplamente qualificado ocorrido em Acorizal (70 km de Cuiabá). Em 2017, ele e um adolescente perseguiram, em uma motocicleta, a vítima Franquilei de Figueiredo Conceição. O homem era namorado da ex-mulher do réu, que foi alvo de quatro disparos de arma de fogo.

Durante o julgamento, os jurados acolheram a tese defendida pelo Ministério Público de Mato Grosso e entenderam que o crime foi premeditado, com a utilização de recurso que dificultou a defesa da vítima e por motivo torpe, que consistiu em ciúmes e sentimento de posse, já que o acusado não aceitava o novo relacionamento de sua ex-esposa com a vítima.

Conforme sustentação feita em plenário pelo promotor de Justiça Roberto Arroio Farinazzo Júnior, as provas apresentadas revelam a personalidade fria do réu, que ao disparar na vítima, assumiu o risco de atingir sua ex-esposa, que estava grávida. Ainda conforme o promotor, as consequências do crime extrapolaram o tipo penal, diante das sequelas físicas, psicológicas e financeiras na vítima.

“Efetuado o disparo, a vítima foi atingida com um tiro na nuca vindo a cair da motocicleta, momento em que o denunciado efetuou mais disparos, atingindo-o próximo ao ouvido direito, além de golpear a vítima caída com chutes, tendo cessado o ataque por acreditar que a vítima já estava morta”, afirmou o promotor de Justiça.

Ao final do julgamento, a pedido do Promotor de Justiça, o juiz presidente da sessão plenária decretou a prisão preventiva do réu.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros