Domingo, 21 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,60
euro R$ 6,10
libra R$ 6,10

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,60
euro R$ 6,10
libra R$ 6,10

Justiça Sexta-feira, 21 de Junho de 2024, 14:30 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Sexta-feira, 21 de Junho de 2024, 14h:30 - A | A

EMBRIAGUEZ AO VOLANTE

Ex-secretário municipal detido na "Lei Seca" firma acordo para encerrar processo

Ex-gestor de Turismo de Cuiabá se comprometeu em pagar R$ 3,5 mil, divididos em 10 prestações, que serão revertidas a entidade pública ou de interesse social

RAYNNA NICOLAS
Da Redação

O ex-secretário de Turismo de Cuiabá, Oscarlino Alves, firmou acordo para não responder ação por dirigir embrigado. Em outubro de 2023, o ex-gestor 'caiu' numa blitz da Lei Seca na avenida Miguel Sutil, em Cuiabá. Na ocasião, ele foi convidado a fazer o teste do bafômetro e foi constatado o consumo de álcool. Oscarlino chegou a ser detido e apresentado à autoridade policial na Delegacia de Trânsito. 

No âmbito criminal, ele foi enquadrado no artigo 306 da Lei n. 9.503/97, que trata do Código de Trânsito. De acordo com a normativa, configura como crime o ato de conduzir veículo automotor com capacidade psicomotora alterada em razão da influência de álcool ou de outra substância psicoativa que determine dependência. As penas incluem detenção de seis meses a três anos, multa e suspensão ou proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor. 

Pela pena máxima ser inferior a quatro anos e o crime não envolver violência, o caso se amolda na possibilidade de oferecimento de Acordo de Não Persecução Penal (ANPP), como ocorreu por parte do Ministério Público no caso de Oscarlino. 

O ex-secretário de Turismo de Cuiabá se comprometeu a pagar R$ 3,5 mil, divididos em 10 prestações, que serão revertidas à entidade pública ou de interesse social. 

Também assentiu em comparecer mensalmente em juízo pelo período de seis meses para comprovar seu domicílio, informar e justificar suas atividades lícitas, não podendo incidir em novas práticas delitivas no mesmo prazo.

Por último, deverá comunicar ao Ministério Público e ao Juízo da Execução Penal imediatamente eventual mudança de endereço, número de telefone ou e-mail.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros