Sábado, 18 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,11
euro R$ 5,55
libra R$ 5,55

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,11
euro R$ 5,55
libra R$ 5,55

Justiça Quarta-feira, 03 de Agosto de 2016, 16:00 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quarta-feira, 03 de Agosto de 2016, 16h:00 - A | A

OPERAÇÃO ARQUEIRO

Desembargador é favorável a afastar juíza em ação envolvendo ex-primeira dama

JESSICA BACHEGA

O pedido protocolado pela ex-primeira dama do Estado, Roseli Barbosa, para afastar a juíza Selma Rosane de Arruda, da Sétima Cara Criminal, dos processos em que ela ré recebeu um voto a favor e dois pedidos de vistas, durante julgamento da Segunda Câmara Criminal de Cuiabá, na tarde desta quarta-feira (3).

 

Alan Cosme/Hipernoticias

Selma Arruda

 

O desembargador Pedro Sakamoto, relator do processo, foi a favor do afastamento da magistrada. Já Orlando Perri e Rui Ramos pediram vista, de forma que o pedido deve entrar em pauta, novamente, na próxima semana.

 

O pedido de afastamento da magistrada do processo foi solicitado pela defesa da acusada ainda em 2015, no qual a alega que a juíza violou na premissa da delação do colaborador Paulo Cesar Lemes, de maneira que a imparcialidade do julgamento está comprometida “pois, revelou estar contaminada pelo convencimento típico de quem investiga”, diz trecho do processo.

 

Por sua vez, consta na ação, a declaração da juíza que informou que “ouviu o colaborador com a finalidade de certificar-se o Juízo de que as informações trazidas por ele eram relevantes e voluntárias, pois, já havia sido ouvido pelo Gaeco, de forma a conferir ao juízo a necessária segurança para homologação do acordo”, diz um trecho do documento.

 

Sendo deferido o pedido, além do afastamento do caso, todas ações da juiza Selma, até então, podem ser anuladas.

 

Acusação

 

A ex-primeira-dama foi presa em agosto do ano passado e permaneceu detida por seis dias no Comando Geral do Corpo de Bombeiros (CGBM). A prisão foi decorrente da investigação da segunda fase da Operação Arqueiro, denominada 'Ouro de Tolo'. Roseli é acusada de liderar um esquema de desvio de dinheiro público durante o período em que comandou a Setas. Segundo a denúncia do Gaeco, ela ficava com 40% do dinheiro desviado através de instituições sem fins lucrativos de fachada. 

 

Além dela, foram presos, em Cuiabá, o empresário Nilson da Costa e Faria, o ex-assessor especial da ex-primeira-dama Rodrigo de Marchi e Silvio Cesar Correa Araújo, este último ex-chefe de gabinete do ex-governador Silval Barbosa.

 

 

 

 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros