Brasil Segunda-feira, 18 de Julho de 2011, 19:10 - A | A

Segunda-feira, 18 de Julho de 2011, 19h:10 - A | A

PORTA FECHADA

Depois do escãndalo, Dnit muda regras para escolha de diretor-geral

Diário Oficial da União publica resolução que obriga o uso de critério técnico

PORTAL G1

Arquivo
Nova resolução impede que nomeação de diretor do Dnit seja por indicação políticas

Resolução publicada na edição desta segunda-feira (18) do Diário Oficial da União mudou as regras do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) para dar ao ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, o poder de indicar um servidor de perfil técnico para ocupar o cargo de diretor-geral. Antes, a substituição do diretor-geral era feita automaticamente pelo diretor executivo.

“Em caso de impedimento ou vacância do Diretor Executivo, a indicação do substituto interino do diretor-geral será feita pelo Ministro de Estado dos Transportes, dentre servidores públicos federais de conduta ilibada e notório saber na área de transportes”, diz a resolução publicada nesta segunda.

Segundo a assessoria do Ministério dos Transportes, a resolução foi assinada por José Sadok antes do seu afastamento da diretoria-geral, na última sexta-feira. A mudança foi feita no parágrafo 125 do regimento interno do departamento que trata das atribuições do diretor executivo do Dnit. Entre as tarefas do cargo, está substituir o diretor-geral.

A nova regra prevê a indicação de um substituto interino para a diretoria-geral nos casos de vacância da diretoria executiva ou de impedimento de quem estiver na vaga.

Denúncias de superfaturamento e irregularidades em obras do Ministério dos Transportes levaram ao afastamento de funcionários da cúpula da pasta e à demissão do ex-ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento (PR).

As suspeitas de irregularidades também foram responsáveis pelo afastamento do diretor-geral do Dnit, Luiz Antônio Pagot. Ele está de férias, mas não deve voltar a comandar o órgão, conforme já afirmou o Palácio do Planalto.

Na última sexta-feira (15), Sadok foi afastado temporariamente do cargo, após o jornal "Estado de S.Paulo" publicar que a construtora da mulher dele teria faturado R$ 18 milhões em rodovias federais, entre 2006 e 2011, vinculadas a convênios com o órgão. A portaria que muda a regra de substituição foi assinada por Sadok antes do afastamento.

Ao ser perguntado sobre se Pagot deixaria a função ao retornar, o ministro dos Transportes afirmou, no dia de sua posse, que a decisão é da presidente Dilma Rousseff. Nesta segunda, a ministra da Secretaria de Relações Institucionais da Presidência, Ideli Salvatti, falou sobre a possível demissão de Pagot.

"Tudo indica que sim, até pelas reiteradas vezes que ela (Dilma Rousseff) tem se comportado dessa forma", afirmou a ministra.

A edição desta segunda do “Diário Oficial da União” também oficializou o afastamento preventivo de Sadok do cargo por 60 dias, “em razão de processo administrativo disciplinar” ao qual ele responderá na Controladoria Geral da União (CGU). O ministro Paulo Passos esteve reunido na tarde desta segunda com o presidente da CGU, ministro Jorge Hage.

Clique aqui  e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros