Quinta-feira, 25 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,66
euro R$ 6,14
libra R$ 6,14

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,66
euro R$ 6,14
libra R$ 6,14

Brasil Terça-feira, 19 de Março de 2024, 14:45 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Terça-feira, 19 de Março de 2024, 14h:45 - A | A

'Aos oportunistas de ocasião, gafanhotos terão vida curta', reage Wajngarten

CONTEÚDO ESTADÃO
da Redação

O advogado Fábio Wajngarten, que foi secretário de Comunicação no governo Jair Bolsonaro, saiu em defesa do ex-presidente nesta terça-feira, 19, após seu indiciamento por fraudes em certificados de vacinação da covid-19. A Polícia Federal concluiu que partiu de Bolsonaro a ordem para falsificação dos cartões.

Wajngarten afirmou que, como presidente, Bolsonaro não precisava apresentar comprovantes de imunização nas viagens internacionais, o que em sua avaliação desmonta a versão da PF.

O ex-secretário de comunicação também atribuiu as acusações a uma tentativa de "esvaziar" o capital político do ex-presidente. "Trata-se de perseguição política", escreveu no X.

Wajngarten ainda convocou aliados a se posicionarem em defesa de Bolsonaro. Ele afirmou que aqueles que quiserem "surfar a onda" bolsonarista, mas se mantiverem "indiferentes", terão "vida curta".
"Vamos ver com lupa quais candidatos querem surfar a onda desse enorme capital político, mantendo-se indiferente à essa perseguição. Ao final, recomendarei ao grupo político do Presidente que jamais permita que essa relação unilateral e desequilibrada seja ativo eleitoral de quem quer que seja. Aos oportunistas de ocasião, tenham a certeza, que mais ainda agora, gafanhotos terão vida curta. Política é grupo, coesão e solidariedade."

O indiciamento é o segundo golpe a Bolsonaro na última semana. O ex-presidente também foi implicado pelos ex-comandantes Marco Antônio Freire Gomes (Exército) e Calos Baptista Júnior (Aeronáutica) no inquérito do golpe. Os militares admitiram em depoimento à Polícia Federal que foram sondados por Bolsonaro sobre um plano golpista.

(Com Agência Estado)

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros