Domingo, 16 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,38
euro R$ 5,76
libra R$ 5,76

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,38
euro R$ 5,76
libra R$ 5,76

Política Terça-feira, 14 de Maio de 2024, 11:45 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Terça-feira, 14 de Maio de 2024, 11h:45 - A | A

INELEGÍVEL POR 8 ANOS

Vereador de Campo Verde acusado de importunação sexual contra servidoras é cassado

Enquadrado na Lei da Ficha Limpa, Mosquito não poderá concorrer a nenhum cargo no Legislativo ou Executivo, a partir deste ano

CAMILA RIBEIRO
Da Redação

A Câmara Municipal de Campo Verde (a 132 km de Cuiabá) cassou o mandato do vereador Gregório Dourado Filho (PSB), conhecido como "Mosquito", na sessão ordinária desta segunda-feira (13). Por nove votos favoráveis, um contrário e duas abstençãoes, Mosquito foi condenado pelo plenário sob a acusação de importunar sexualmente duas servidoras do Legislativo. A votação é histórica. O vereador é o primeiro a perder o mandato na cidade. Enquadrado na Lei da Ficha Limpa, Mosquito fica inelegível por oito anos, já no pleito deste ano. 

LEIA MAIS: Câmara afasta vereador da Mesa Diretora por suspeita de "intimidar" servidoras que o denunciaram; veja vídeo

A defesa apresentou requerimento em uma tentativa de "enterrar" o parecer da Comissão de Ética e Decoro Parlamentar. O advogado Valdir Pimpinati alegou que os trâmites legais não foram obedecidos. O pedido foi discutido pelos vereadores, a maioria votou contra o acolhimento do requerimento e a discussão continuou. 

O processo foi lido na íntegra e a sessão se estendeu até meia-noite. Foram concedidos à defesa 40 minutos para suas alegações e a votação foi iniciada. Somente Mosquito votou contra sua cassação. Os vereadores Professor Fábio Alves (Solidariedade) e Paulo Galvão (Democracia Cristça), o "Paulinho da Fartura", abstiveram-se. Fábio é ex-correligionário de Mosquito. Porém, os demais formaram a maioria e, por 9x3, o vereador foi cassado. 

O advogado Valdir Pimpinati vai recorrer da decisão e tentar reintegrar Mosquito ao plenário por meio de liminar. 

INQUÉRITO NÃO COMPROVOU IMPORTUNAÇÃO

As acusações de importunação sexual foram parar na Polícia Civil. A Delegacia de Campo Verde instaurou um inquérito e o caso começou a ser investigado. As duas servidoras que denunciaram o vereador à mesa diretora foram ouvidas. Mosquito também prestou depoimento. Conforme a Polícia Civil, "foram apurados indícios de que não houve conduta criminosa por parte do vereador". O inquérito acabou sendo arquivado. 

NOTA DA POLÍCIA CIVIL NA ÍNTEGRA

"A Polícia Civil informa que foi instaurada uma investigação preliminar pela Delegacia de Campo Verde para apuração dos fatos de suposto assédio praticado pelo parlamentar municipal.

Durante as diligências realizadas foram apurados indícios de que não houve conduta criminosa por parte do vereador"

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros