Política Terça-feira, 17 de Maio de 2011, 09:43 - A | A

Terça-feira, 17 de Maio de 2011, 09h:43 - A | A

EM MATO GROSSO

Promotor reage às criticas de Magno Malta ao homossexualismo

Coordenador do Gaeco afirma que senador republicano pelo ES estava sob efeito de medicamentos

Maurício Barbant/ALMT
Senador do PR esteve em Cuiabá para falar sobre combate à pedofilia e criticou decisão do STF
O promotor de Justiça  Paulo Prado, que já foi uma dos maiores defensores da promoção dos direitos da criança e do adolescente em Mato Grosso, rebateu as fortes críticas feitas em Cuiabá pelo senador Magno Malta (PR) aos homossexuais.

O promotor de Justiça  Paulo Prado, que já foi uma dos maiores defensores da promoção dos direitos da criança e do adolescente em Mato Grosso, rebateu as fortes críticas feitas em Cuiabá pelo senador Magno Malta (PR) aos homossexuais.

 

“Eu senti que ele não estava bem hoje (ontem) não, senti que ele estava à base de remédio já que soube que está doente, tanto que uma hora ele falou uma coisa, outra hora ele falou outra”, avaliou Prado, prometendo rever as gravações com todo o conteúdo dito pelo parlamentar que, pelo terceiro ano consecutivo participou da audiência pública para discutir políticas públicas em proteção à criança e ao adolescente, numa iniciativa da Sala da Mulher da Assembléia Legislativa de Mato Grosso.

Com tom peculiar polêmico, Malta disse não concordar com as leis diretamente ligadas ao homossexualismo, principalmente por entender que isso pode interferir na formação de crianças nas escolas, uma vez que o  criminalização da homofobia , deve ser por força de lei, difundida também em centros educacionais de todo o país.

Nesse sentido o senador repudiou a ação do Ministério da Educação que pretende distribuir, no segundo semestre, uma cartilha elaborada para orientar os alunos das escolas públicas sobre o preconceito e a aversão a homossexuais, a homofobia.

 “Nossas escolas se tornarão escolas preparatórias de homossexuais. Não podemos admitir isso”, frisou.

Magno Malta que alegou problemas de garganta evitou dar entrevistas a jornalistas na Assembléia.

“Não vai ser o Senado que vai criar o terceiro sexo, ser homossexual é uma opção, ao contrário de ser negro, por exemplo”, apontou direto da tribuna,  alertando que as escolas podem virar “um império de homossexuais”.

Paulo Prado insistiu, que há que se respeitar, sobre todos os aspectos a liberdade sexual das pessoas independente de qualquer coisa.

“Se o menino tem uma tendência a ser homossexual, ele não pode ser vítima de agressão, bulliyng ou qualquer coisa assim nem dentro e nem fora da escola, assim como deve ser respeitar as pessoas negras, as pessoas gordas enfim, todos sem discriminação”,  sinalizou  procurador de justiça, que atualmente coordena o Grupo de Atuação Contra o Crime Organizado (Gaeco).

Contudo Magno Malta amenizou dizendo que respeita as diferenças sexuais e a causa gay no país, mas que defende uma  mobilização da sociedade para debater melhor o assunto.

O projeto que criminaliza a homofobia (ridicularização aos homossexuais) está tramitando no Senado onde enfrenta resistências dos mais conservadores e principalmente da bancada evangélica.

Clique aqui  e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

VITORIO MAIOLINO 17/05/2011

Temos que respeitar as opções sexuais de cada um, o que não pode é a mídia(Novelas)querendo colocar à guela abaixo os comportamentos dos homossexuais e achar que é normal e ao mesmo tempo incentivar as crianças que não tem uma formação exata o que é sexo, portanto, não seram as leis que vai mudar em aceitar uma coisa do Diabo!!!

1 comentários

1 de 1

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros