Segunda-Feira, 03 de Fevereiro de 2014, 17h:24

Tamanho do texto A - A+

Movimento protocola pedido e AL deve discutir pedágio

Nesta segunda-feira (03), o Movimento “Pedágio Não” protocolou um pedido para realização de duas audiências públicas

Por: NAYARA ARAÚJO

Atualizar às 17h57






A Assembleia Legislativa nem bem começou os trabalhos da Casa e já tem um assunto polêmico para intermediar: a concessão da rodovia estadual MT-251 que liga Cuiabá a Chapada dos Guimarães. Nesta segunda-feira (03), o Movimento “Pedágio Não” protocolou um pedido para realização de duas audiências públicas a fim de discutir a implantação do pedágio na rodovia.

Este já é o segundo pedido para mais debate acerca do assunto, já que o Movimento de Combate a Corrupção (MCCE) havia protocolado o mesmo pleito há alguns dias na Casa de Leis.

Conforme o membro do MCCE e sindicalista Gilmar Brunetto, a tentativa de implantar o pedágio  irá acarretar perdas para o Estado. “Ao invés do governo incentivar o turismo e vender a imagem das nossas belas paisagens está dificultando a ida à Chapada ao cobrar pelo acesso. Estão caminhando na contramão do desenvolvimento e divulgação do nosso turismo”, opinou.

Marcos Lopes/HiperNotícias

Assembleia sedia novas audiências públicas para discutir pedágio


Ainda segundo Brunetto, as datas das audiências devem ser anunciadas após o Colégio de Líderes desta terça-feira (4). O pedido para as audiências se deve ao fato da Secretaria de Transporte e Pavimentação Urbana (Setpu) ter admitido erro nos estudos de viabilidade técnica, econômica, financeira, social e operacional acerca da concessão.

Anteriormente, estavam previstos quatro praças ao total. Agora, a Septu garante que serão apenas duas. Também será reavaliado o valor do pedágio, já que poderia chegar a R$ 7,50 conforme os estudos.

Ainda não há data para divulgação das retificações do estudo. Contudo, está mantido o prazo final para finalização do relatório, que deve ser concluído em 15 de fevereiro.

O projeto modificado terá de passar pelo crivo do Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental (EIA-Rima) no Ibama. Posteriormente, serão lançados os editais de licitação. A expectativa é que o trâmite seja concluído ainda este ano.
Avalie esta matéria: Gostei +1 | Não gostei

Leia mais sobre este assunto