Terça-feira, 25 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,39
euro R$ 5,79
libra R$ 5,79

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,39
euro R$ 5,79
libra R$ 5,79

Política Quarta-feira, 24 de Outubro de 2018, 11:05 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quarta-feira, 24 de Outubro de 2018, 11h:05 - A | A

DÉBITO DE R$ 100 MILHÕES

"É impossível reduzir duodécimo", afirma Maluf

LEONARDO HEITOR

O deputado estadual e primeiro secretário da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), Guilherme Maluf (PSDB), afirmou que não há a possibilidade da Casa reduzir os valores recebidos como duodécimo. Segundo o parlamentar, o assunto precisa ser debatido com o novo governo, mas já adiantou que uma redução não é viável no momento.

 

Alan Cosme/HiperNoticias

guilherme maluf

 Maluf admite possibilidade de redução no futuro, mas agora não

Maluf afirmou que o Legislativo estadual está fazendo um estudo, no qual serão apresentados dados ao governador eleito Mauro Mendes (DEM), que assumirá o cargo no dia 1º de janeiro de 2019. O primeiro secretário lembrou também que atualmente o Executivo possui um débito com a Casa de Leis de cerca de R$ 100 milhões.

 

"Estamos fazendo um estudo, até para dar conhecimento ao governador eleito, do que são as finanças da ALMT. Já temos uma retensão feita que deve somar atualmente R$ 100 milhões. Não temos condições de abrir mão desse recurso e de reduzir o duodécimo", afirmou Maluf. 

 

Segundo o deputado estadual, a Casa tentará reduzir custos e pode debater uma possível redução no repasse dos duodécimos no futuro, mas que, no momento, este corte é inviável. Ele também destacou que em relação aos valores ainda não repassados, um diálogo pode solucionar o caso da melhor forma para Executivo e Legislativo.

 

"É possível fazer uma composição no que temos de restos a pagar e discutir o duodécimo. O próprio presidente apresentará, neste estudo, uma proposta de tentar diminuir e fazer umas economias na Casa. Se conseguirmos, aí sim poderemos propor uma redução, mas ainda é um estudo", disse.

 

O motivo pelo qual Guilherme Maluf afirmou que a redução do duodécimo não é possível é relacionado a indefinições na ALMT, como a questão da Revisão Geral Anual (RGA) dos servidores da Casa. Segundo o primeiro secretário, é preciso saber primeiro, por exemplo, se ela estará incluída na questão do Teto de Gastos, previsto na legislação aprovada este ano.

 

"Temos que discutir o futuro das composições dos próprios servidores aqui da Casa, se vamos discutir o RGA, se está embutido no teto de gastos. É muito precipitado e tem que se debater e conversar. Entendo que ele esteja bem intencionado, mas existem limites para tudo", completou. 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

joaoderondonopolis 24/10/2018

Entendo que não é reduzindo os repasses para os poderes que vai administrar MT, só tem uma maneira de administrar o estado a contento da população. Como? taxando o Agro, fora isto, é pura balela e se reduzir os repasses, daí 90 dias tem que reduzir mais, e aí por diante. Não adianta querer sacrificar os poderes, tem que ter dinheiro novo. E o conselho e única alternativa é esta. Mas esta decisão de taxar o Agro é na primeira sentada dia 01/01/2019.

positivo
0
negativo
0

1 comentários

1 de 1

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros