Terça-feira, 18 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,42
euro R$ 5,83
libra R$ 5,83

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,42
euro R$ 5,83
libra R$ 5,83

Polícia Segunda-feira, 13 de Maio de 2024, 16:41 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Segunda-feira, 13 de Maio de 2024, 16h:41 - A | A

AGENTES DA PRF

Sorriso é escolhida para câmeras nas fardas por reunir variedade criminal, diz superintendente

Grande propósito do projeto é escolher o equipamento mais adequado e que seja capaz de suprir as necessidades de todos os estados que irão implementá-lo; nesta fase será estabelecido uma espécie de ‘manual’ para o uso da tecnologia

SABRINA VENTRESQUI
Da Redação

Os agentes da Polícia Rodoviária Federal que atuam em Sorriso (397 km de Cuiabá) são os primeiros de Mato Grosso a receber câmeras nas fardas e nas viaturas. Em fase de testes desde a semana passada, o período de avaliação pode durar até 150 dias, ou seja, aproximadamente cinco meses. Ao HNT, o superintendente da PRF, Arthur Nogueira, explicou que o município foi escolhido por reunir a maior quantidade de particularidades - variedade de crimes - observadas pela PRF diante das demais outras seis delegacias que a corporação possui no Estado.

“Cada local tem uma peculiaridade diferente, desde o clima, quantidade de efetivo, do registro de ilícitos. Se pegar a região de fronteira, como Cáceres e Pontes e Lacerda, tem uma realidade, Cuiabá e Primavera do Leste, por exemplo, são outras realidades. Então, no mesmo Estado, temos sete delegacias e cada uma tem sua peculiaridade, e a de Sorriso é a que unifica todas essas peculiaridades. Lá tem tráfico de drogas, crimes ambientais, trabalho escravo, roubo, furto de veículos e fluxos de carga indo para o Pará por conta da produção da região. Além de um índice de acidente muito grande. Então, definimos Sorriso”, contou.

Nogueira explicou que o grande objetivo do projeto é escolher o equipamento mais adequado e que seja capaz de suprir as necessidades e peculiaridades de todos os estados que irão implementar o projeto. Além disso, nesta fase, será estabelecida uma espécie de ‘manual’ para o uso da tecnologia.

“O objetivo do teste é a escolha do equipamento e como sistematizar o uso. Como nós já temos os manuais para todas as áreas em que atuamos, para essa não seria diferente. Então, no manual de operação das câmeras terá o passo a passo, desde o momento em que o agente chega para assumir o plantão e como ele deve proceder para receber esse equipamento, como tem que estar instalado, como ele vai utilizar, o que ele tem que fazer até o final do plantão. Com isso definido, vamos começar por onde? Todo o Brasil vai utilizar ou só os estados testados? Então, tudo isso será definido neste período de até 150 dias”, expôs à reportagem.

Além do município mato-grossense, outras quatro cidades de quatro estados do país também estão em fase de testes. São elas São José (SC), Uberlândia (MG), Cascavel (PR) e Araguaína (TO). Cada região foi escolhida por possuir características distintas, que faz com que os equipamentos sejam testados em climas e circunstâncias diferentes.

“A gente quer um equipamento que esteja na viatura e no colete policial que poderá atender qualquer deslocamento, faça chuva, faça sol. Primeiro, vai definir se o equipamento funciona e qual equipamento atende a necessidade, porque é uma polícia federal, e a compra é feita para todo o Brasil”, pontuou.

Nogueira contou que, inicialmente, houve resistência de alguns agentes, mas, conforme as dúvidas foram sanadas, o incômodo se dissipou.

“Inicialmente, há sempre uma resistência porque vêm aquelas dúvidas. ‘Vou ficar 24h sendo monitorado?’ Eu não estou no BBB’. Então, há essa resistência inicial, quando se dá o conhecimento da formatação do projeto, os agentes entendem que é necessário dar credibilidade. Como a polícia é voltada para a cidadania, Sorriso recebe bem isso, as pessoas estão lá para contribuir com o projeto”, disse.

O chefe da PRF em Mato Grosso acredita que as câmeras serão benéficas tanto para os agentes quanto para a população. Segundo ele, o equipamento acaba inibindo comportamentos equivocados, seja do policial ou do cidadão abordado. 

“Muitas vezes, você aborda o cidadão e ele está estressado e quer descontar no policial. Ele não reconhece o erro numa simples infração de trânsito. Então, imagina uma abordagem em algum tipo de crime? Muitas das pessoas que a gente vai fazer a detenção ou abordagem já vem instigando o agente a ser truculento, tem até casos de xingarem o policial ou cuspirem na cara. A câmera vai inibir esse comportamento ou se não inibir, vai comprovar que existiu a provocação e o policial precisou agir daquela maneira e conforme nossos manuais. Porque se cai uma imagem [nas redes sociais] só do cara caído no chão e policial tendo que pisar na perna ou na cabeça para algemá-lo, o que acontece? Aquela imagem choca, e dizem que o policial está abusando [da autoridade], mas não viram o que aconteceu antes, que foi preciso fazer aquilo para segurança de todos que estão à volta. Tudo isso, o uso da câmera pode contribuir”, opinou. 

Por fim, Arthur Nogueira se mostrou favorável à implementação de câmeras nas fardas e afirmou que é um caminho sem volta e que poderá influenciar até mesmo outras polícias a adotarem o equipamento. Ele contou que usou a tecnologia durante três anos e meio em um grupo de fiscalização e nunca teve problemas. 

“Na minha visão, é um caminho sem volta, porque, querendo, ou não, hoje, aonde quer que você vá, você está sendo filmado. Eu sou favorável ao uso e já usei quando operei e tinha minha câmera. Nunca tive problemas porque a câmera é preventiva. Quando eu fazia a abordagem, já dizia que a pessoa estava sendo filmada. Evitava o estresse. Trabalhei três anos e meio em um grupo de fiscalização e não tivemos nenhum tipo de problema”, concluiu.

Depois que o período de teste for finalizado, os resultados serão analisados por uma comissão, que está encarregada de todo o processo de implementação. A partir desta análise é que será definido se o projeto será posto em prática ou não. O futuro do uso do equipamento também depende do orçamento disponibilizado pelo Ministério da Segurança, caso não haja recursos, a proposta ficará em espera até que haja verba suficiente para dar prosseguimento.

Em Mato Grosso, existe um projeto de lei em tramitação na Assembleia Legislativa, que gera muitos debates e pouca concordância, sobre a iniciativa de colocar câmera nas fardas da Polícia Militar.

LEIA MAIS:  Comandante da PM volta a criticar uso de câmeras em fardas de militares em MT

Clique aqui  e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros