Quarta-feira, 24 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,59
euro R$ 6,07
libra R$ 6,07

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,59
euro R$ 6,07
libra R$ 6,07

Mundo Terça-feira, 19 de Março de 2024, 08:00 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Terça-feira, 19 de Março de 2024, 08h:00 - A | A

Diante de protestos contra falta de comida e luz, Cuba culpa os EUA

CONTEÚDO ESTADÃO
da Redação

Centenas de cubanos foram às ruas de Santiago, uma cidade a 800 quilômetros da capital, Havana, no domingo, 17, para protestar contra os apagões de luz e a falta de comida. O governo de Cuba culpou os EUA pela situação econômica na ilha e convocou um representante da embaixada americana para consultas nesta segunda, 18.

A mídia estatal confirmou os protestos e, nas redes sociais, houve relatos de atos parecidos em várias outras províncias. Vídeos mostrando pessoas gritando "eletricidade e comida" foram rapidamente compartilhados em plataformas como X e Facebook. "Várias pessoas expressaram seu desacordo com a situação do serviço elétrico e da distribuição de alimentos", afirmou o presidente Miguel Díaz-Canel, alertando em seguida que "os inimigos da Revolução" tentam aproveitar o contexto, "com fins desestabilizadores".

Em sua mensagem, Díaz-Canel responsabilizou dissidentes cubanos radicados nos EUA pelas manifestações.

Cuba enfrenta uma das piores crises econômicas e de energia da sua história. As ondas de apagões pioraram nas últimas semanas, aumentando a frustração de moradores com a escassez de alimentos e com a inflação. O país enfrentou vários dias de apagões de até 13 horas.

Os cortes de energia têm aumentado devido às obras de manutenção na central termoelétrica Antonio Güiteras, a mais importante da ilha. No fim de semana, o problema foi agravado pela escassez de combustível, necessário para abastecer as outras termoelétricas.

O encarregado de negócios da embaixada dos EUA em Havana, Benjamín Ziff, foi convocado à chancelaria por "comportamento de interferência".

O governo americano afirmou que os protestos "refletem uma "situação desesperadora" e considerou "absurda" a acusação de interferência, disse o porta-voz do Departamento de Estado, Vedant Patel. (COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS)
As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

(Com Agência Estado)

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros