Quinta-feira, 18 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,48
euro R$ 6,00
libra R$ 6,00

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,48
euro R$ 6,00
libra R$ 6,00

Mundo Terça-feira, 19 de Março de 2024, 12:30 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Terça-feira, 19 de Março de 2024, 12h:30 - A | A

Catar vê otimismo em negociações entre Hamas e Israel; Blinken prepara viagem ao Oriente Médio

CONTEÚDO ESTADÃO
da Redação

As negociações diplomáticas entre Israel e Hamas, intermediadas pelo Catar e Egito, avançaram nesta terça-feira (19) em Doha, depois da visita do chefe do Mossad David Barnea. Segundo o governo do Catar, há condições para um otimismo cauteloso, depois de conversas separadas entre as delegações na noite de segunda-feira, 18. Em Washington, o secretário de Estado Anthony Blinken anunciou uma viagem para o Oriente Médio nesta semana, a sexta desde o início da guerra.

De acordo com o porta-voz da chancelaria catari, Majed A-Ansari, as negociações estão em curso e devem continuar. "Ainda não estamos perto de um acordo, ainda é cedo para falar em sucesso, mas estamos cautelosamente otimistas", disse.

Segundo o diplomata, uma incursão israelense em Rafah, onde se encontram mais de 1 milhão de refugiados palestinos, pode ser uma catástrofe para as negociações.

Pressão americana

Blinken, por sua vez, deve se encontrar com autoridades sauditas e egípcias a partir de quarta-feira, 20. O chefe da diplomacia americana, desta vez, não irá a Israel. Segundo o secretário, que participa de uma conferência nas Filipinas, é imperativo obter um plano para Gaza para quando o conflito terminar.

"Isso deve ser atingido mais rápido possível, consistente com as necessidades de Israel de se defender e garantir que o dia 7 de outubro nunca mais aconteça", disse.

Qualquer plano pós-guerra para Gaza envolverá a questão de como fornecer governança e segurança em Gaza, um assunto sobre o qual os Estados Unidos e Israel discordam.

Blinken também disse que abordaria com egípcios e sauditas qual é a arquitetura certa para uma paz regional duradoura, uma aparente referência à tentativa americana de negociar um acordo entre Israel e Arábia Saudita.

Concessões

Esse pacto provavelmente exigiria que Israel fizesse concessões aos palestinos em troca de suas primeiras relações diplomáticas formais com a Arábia Saudita. Por sua vez, os sauditas querem que os Estados Unidos e Israel apoiem a criação de um programa nuclear civil em solo saudita, bem como um maior apoio militar de Washington.

Blinken enfatizou a urgência de fornecer ajuda humanitária a Gaza, cujos habitantes, segundo ele, continuam a enfrentar uma situação humanitária horrível. O diplomata disse ainda que o Hamas é o culpado pela crise, mas que também cabe a Israel proteger os civis durante sua campanha militar.

Os combates no enclave deixaram pelo menos 31.819 palestinos mortos, de acordo com o Ministério da Saúde de Gaza. Controlado pelo Hamas, o órgão não faz distinção entre civis e combatentes em sua contagem, mas afirma que mulheres e crianças representam dois terços dos mortos. Uma agência de alimentos das Nações Unidas alertou que "a fome é iminente" no norte de Gaza.

Os militantes palestinos mataram cerca de 1.200 pessoas no ataque surpresa de 7 de outubro em Gaza, que desencadeou a guerra, e sequestraram outras 250. Acredita-se que o Hamas ainda esteja mantendo cerca de 100 pessoas como reféns, bem como os restos mortais de outras 30. (Com agências internacionais).

(Com Agência Estado)

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros