Terça-feira, 28 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,17
euro R$ 5,62
libra R$ 5,62

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,17
euro R$ 5,62
libra R$ 5,62

Justiça Terça-feira, 30 de Agosto de 2016, 09:53 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Terça-feira, 30 de Agosto de 2016, 09h:53 - A | A

DENÚNCIA CONTRA RODRIGO BARBOSA

Perícia não aponta arrombamento no apartamento de delator

JESSICA BACHEGA

O resultado da perícia realizada pela Polícia civil, no apartamento da tia do réu na Operação Sodoma, ex-secretário de Administração Pedro Elias, apontou que nenhuma das portas do imóvel foi arrombada, como havia informado o acusado. Ele informou à Justiça o sumiço de alguns documentos de imóveis recebidos como pagamento de propina sob a alegação de um arrombamento neste logal.. Crime que recaiu sobre Rodrigo Barbosa, filho do ex-governador e réu na Operação Sodoma.

 

A acusação do furto foi um dos pontos que levaram Rodrigo a ser preso em abril deste ano. 

 

Alan Cosme/HiperNoticias

rodrigo barbosa

 

O laudo foi divulgado no início da noite desta segunda-feira (29) e apontou que nenhuma das portas do apartamento foi arrombada, porém a perícia realizada no armário no qual estavam guardados os documentos não foi conclusiva. Segundo informações, não havia impressões digitais no móvel e nem sinais de arrombamento, conforme explicou o advogado, Bruno Alegria, que atua na defesa de Rodrigo Barbosa.

 

“A delegacia e o Ministério Público usaram este argumento à prisão do Rodrigo. Fizeram crer na suposição de que ele teria sido o responsável pelo furto e o suposto arrombamento  e acaba de chegar aqui para ser incluído nos autos a perícia encaminhada pelos delegados, que comprova que não houve arrombamento nas portas do apartamento e que não há como concluir que houve arrombamento no armário”, disse o jurista.

 

Os documentos foram furtados no dia seis de abril. Pedro Elias comunicou as autoridades policiais sobre o desaparecimento  dos documentos. Ele disse que as portas no armário estavam quebradas, mas não havia marcas de arrombamento.  Já no depoimento, na tarde desta segunda-feira (29), Pedro Elias relatou que ninguém morava na casa na época do fato e que somente ele e uma tia tinham a chave do imóvel.

 

Ele narrou que precisava pegar os documentos para entregar ao Ministério Público Estadual (MPE), pois havia se comprometido a colaborar com as investigações. Dessa forma, ele pediu para que a tia fosse ao local buscar os documentos, que eram referentes aos dois apartamentos que recebeu do empresário Willians Paulo Mischur, dono da Consignum,  a título de propina, no valor de R$350 mil.

 

Segundo Pedro Elias, quando a sua tia chegou ao local, teria o ligado informando que o trinco havia sido forçado e o armário estava arrombado.

 

“Eu comuniquei o arrombamento à polícia, mas nunca acusei Rodrigo do furto, eu nunca disse que foi ele”, contou sem eu depoimento.

 

Rodrigo morava no mesmo prédio onde estava localizado o apartamento no qual estavam os documentos, e já havia frequentado o imóvel, pois tinha uma boa relação com Pedro Elias.

 

“Rodrigo não sabia desses documentos, ele frequentava o apartamento, mas não sabia desses papeis”, conta o advogado.

 

Acusação contra Rodrigo

 

No dia 25 de abril foi preso o médico Rodrigo Barbosa, filho do ex-governador Silval Barbosa (PMDB), que foi liberado após pagar fiança de R$ 528mil.

 

Rodrigo é investigado por envolvimento em crime de corrupção e ligação com a organização criminosa chefiada por seu pai. Ele também teria recebido propina no governo anterior e era atribuído a ele o furto de documentos na casa de uma parente de Pedro Elias.

 

 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros