Sábado, 13 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,43
euro R$ 5,95
libra R$ 5,95

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,43
euro R$ 5,95
libra R$ 5,95

Justiça Terça-feira, 11 de Junho de 2024, 18:40 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Terça-feira, 11 de Junho de 2024, 18h:40 - A | A

PARA JUÍZA EM AUDIÊNCIA

Homem que confessou ajuda a executor de PM alega agressão cometida por militares; veja vídeo

Laudo pericial mostram marcas de arranhões e roxo no braço, no joelho, nos ombro e nas costas; magistrada determinou encaminhamento à Corregedoria da PM para situação ser investigada

SUZANA ATAÍDE
Da Redação

Pedro Henrique Pereira dos Santos da Silva, de 32 anos, suspeito de ter dado apoio ao assassino do sargento Odenil Alves, de 46 anos, alegou ter sofrido tortura física e psicológica de policiais militares da Força Tática, em audiência de custódia, nesta terça-feira (11). Em razão disso, a juíza Ana Graziela Vaz de Campos Alves Corrêa determinou a investigação dos fatos pela Corregedoria da Polícia Militar (veja o vídeo da audiência no final da matéria).

Pedro foi preso no último domingo. Apesar de ser suspeito de dar apoio a Raffael Amorim Brito, suspeito de matar o militar em frente à UPA da Morada do Ouro, no dia 28 de maio, sua prisão foi por posse de um tablete de maconha.

LEIA MAIS: Criminoso que deu apoio à fuga de assassino de sargento é preso pela PM em Cuiabá

Durante a audiência de custódia, o suspeito relatou que foi cercado por policiais militares e sofreu agressões físicas. Disse também que os militares atiraram em sua direção e invadiram a casa da sua mãe, local em que estava no dia da abordagem.

“Eu estava lá na frente de casa abrindo o carro, quando eles vieram em um... descaracterizado, um Yares eu acho, eu não lembro, era um carro branco e falou pra mim parar e eu corri, porque com essa situação que está tendo lá. Eu corri, eles atiraram em mim e eu sai correndo e acabei caindo lá em baixo. Aí, nisso, chegou outra viatura depois e me bateu de novo com o carro”.

Em seguida, a juíza questionou quem havia batido no preso, se policiais militares ou civis, quando ele confirmou que as agressões vieram de policiais militares.

LEIA MAIS: Criminoso confessa que levou assassino do PM à região de chácaras a mando de líder de facção

Já a Polícia Militar alega que, durante a abordagem, Pedro tentou fugir e se machucou ao cair.

Fotos do laudo pericial mostram marcas de arranhões e roxo no braço, no joelho, nos ombro e nas costas do suspeito.

O laudo será encaminhado para a Corregedoria da Polícia Militar investigar o caso, conforme determinação da magistrada.

 VEJA VÍDEO

 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros