Sábado, 25 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,17
euro R$ 5,61
libra R$ 5,61

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,17
euro R$ 5,61
libra R$ 5,61

Justiça Sexta-feira, 27 de Maio de 2016, 14:54 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Sexta-feira, 27 de Maio de 2016, 14h:54 - A | A

SEM MONITORAMENTO

Desembargadores mantém decisão que removeu tornozeleira de José Riva

GABRIEL SOARES

A Terceira Câmara Criminal manteve nesta quarta-feira (25), em votação unânime, a decisão liminar que determinou a remoção do monitoramento eletrônico imposto ao ex-deputado José Geraldo Riva.

 

Hugo Dias/HiperNotícias

Deputado José Riva

 

A remoção da tornozeleira foi determinada pelo desembargador Juvenal Pereira no dia 15 de abril, atendendo a pedido da defesa de Riva. Durante o julgamento do habeas corpus nesta quarta-feira, os desembargadores Luiz Ferreira da Silva e Gilberto Giraldelli acompanharam o voto do relator Juvenal.

 

“Não encontro a excepcionalidade necessária para a vigilância eletrônica do beneficiário, tendo em vista que as outras medidas cautelares que lhe foram aplicadas se mostram condizentes para assegurar a aplicação da lei penal, haja vista que para a instrução criminal já me parece anacrônica”, afirmou o relator na decisão liminar que autorizou a remoção do equipamento.

 

O desembargador levou em conta o entendimento do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, de que Riva já “está afastado do exercício de qualquer atividade pública [...], o que, em princípio, afasta a possibilidade de reiteração criminosa”. O trecho consta na decisão do STF do dia 7 de abril, que determinou a liberdade do ex-deputado.

 

Além de remover a tornozeleira, Juvenal Pereira substituiu alguns termos das demais medidas cautelares impostas a Riva. O comparecimento mensal ao juízo foi trocado por "comparecer a todos os atos do processo".

 

Já a proibição de ausentar-se da Comarca sem prévia autorização da Justiça foi substituída pela "proibição de ausentar-se da Comarca sem prévia comunicação ao juízo de origem". A exigência de recolhimento domiciliar no período noturno e aos sábados, domingos e feriados em período integral também foi removida. 

 

A única medida cautelar que resta ao ex-deputado é a proibição de acesso às dependências da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, onde, em tese, os crimes foram cometidos.

 

A Terceira Câmara Criminal ratificou todas as determinações do desembargador Juvenal Pereira.

 

SEIS MESES DE PRISÃO

O ex-deputado José Riva ficou preso por quase seis meses. Ele foi detido no dia 13 de outubro de 2015, quando o Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado deflagrou a segunda fase da "Operação Metástase", investigando um suposto esquema de desvio de dinheiro da Assembleia Legislativa.

 

Segundo o Ministério Público Estadual (MPE), Riva teria comandado seeus servidores no esquema que desviou R$ 2 milhões por meio de compras falsas usando a verba de suprimento de fundos.

 

Além do ex-deputado, foram presos os ex-chefes de gabinete Maria Helena Caramelo, que também já conseguiu liberdade, e Geraldo Lauro, que segue preso até então.

 

Durante a fase de instrução do processo na Sétima Vara Criminal, testemunhas relataram à juíza Selma Rosane de Arruda que o ex-deputado usava a verba para pagar funerais, caixões, atendimentos médicos, formaturas e 'outros mimos'.

 

Empresários convocados para depor afirmaram que nunca forneceram mercadorias à Assembleia, embora suas empresas tivessem sido incluídas na prestação de contas do ex-deputado Riva.

 

O processo segue na fase de instrução, aguardando o depoimento de mais uma testemunha e dos três réus.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros