Terça-feira, 21 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,10
euro R$ 5,53
libra R$ 5,53

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,10
euro R$ 5,53
libra R$ 5,53

Cidades Sábado, 18 de Junho de 2016, 08:00 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Sábado, 18 de Junho de 2016, 08h:00 - A | A

VEJA O VÍDEO

"Piquete" em frente à Sefaz causa confusão; Sindicato quer acionar corregedoria por excessos

JESSICA BACHEGA

O presidente do Sindicato dos Profissionais da Área Instrumental do Governo (Sinpaig), Edmundo Leite, declarou, em entrevista coletiva na tarde desta sexta-feira (17), que irá acionar a corregedoria e o código de ética da Secretaria de Fazenda (Sefaz) devido aos incidentes registrados na manhã desta sexta-feira (17), durante os protestos em frente à Sefaz.

 

Alan Cosme/HiperNoticias

sefaz

Servidores fizeram piquete em frente à Sefaz, o que gerou confusão 

Durante a manhã, os servidores em greve realizaram mobilizações em variados pontos do Centro Político Administrativo e adotaram a estratégia do “piquete” nas portarias de algumas secretárias, impedindo a entrada e saída dos servidores. 

 

Neste momento, alguns servidores que queriam sair das das secretarias de Gestão e Fazenda tentaram forçar a passagem pela multidão. Na Seges, um motociclista foi para cima de um dos servidores, que sofreu ferimento na perna. Na segunda, uma servidora da Sefaz que tentava sair de carro teve seu veículo golpeado várias vezes.

 

Janaina Pompeu, servidora do Departamento de Trânsito (Detran), conta que todos grevistas se uniram em cordão quando o carro se aproximou, para que o condutor não passasse.

 

“Ela veio para cima da gente e minha perna ficou presa no carro. Não consegui sair da frente. Mesmo com os colegas batendo no carro e gritando para ela parar, ela não parou”, relata. 

 

Alan Cosme/HiperNoticias

Edmundo leite

Presidente do Sinpaig, Edmundo Leite diz que movimento grevista é "ordeiro e pacífico" 

Edmundo Leite explica que o movimento de hoje era uma formalização da rejeição ao projeto proposto pelo governo para apagar a Revisão Geral Anual (RGA), parcelado até 2017. A proposta é que 6% sejam pagos em parcela iguais nos meses de setembro, janeiro e maio. Os 5,28% seriam pagos em maio e julho do próximo ano, conforme a redução dos gastos com pessoal para o enquadramento na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

 

“Condicionar a RGA a LRF é como dar um cheque pré datado. Não vamos aceitar essa proposta. Queremos que o Estado pague a revisão ainda em 2016”, disse o sindicalista, ressaltando que o movimento não quer nenhum enfrentamento: “nosso movimento é ordeiro e pacifico”.

 

Os servidores também buscam na Assembleia Legislativa (ALMT) que o projeto não seja aprovado. Conforme Leite, alguns deputados já demonstraram apoio à luta da classe. “O projeto ainda não foi entrega à Assembleia, estamos monitorando esse andamento e buscamos o apoio para que ele não seja aprovado”, relatou.

 

O presidente ainda disse que, caso seja aprovado, os servidores irão buscar recursos para barrar a efetivação dessa proposta. “Não vamos aceitar isso goela abaixo”, finalizou.

 

 

OUTRO LADO

 

Por meio de nota a Sefaz informou que lamenta o ocorrido e entende que assim como querem exercer seu legítimo direito à greve, os servidores mobilizados precisam também respeitar a decisão dos colegas de não aderir ao movimento.

 

CONFIRA NOTA NA ÍNTEGRA

 

Em nota, a assessoria da Sefaz lamenta os conflitos ocorridos nesta sexta-feira envolvendo servidores que estão em greve e aqueles que tentavam exercer o seu direito de trabalhar. Explica que os problemas começaram antes do horário de expediente, por volta das 7h40, quando os servidores fazendários começaram a chegar nos portões e foram impedidos de entrar na Sefaz, de carro ou a pé. O mesmo ocorreu à tarde, depois do horário de almoço. A Sefaz entende que assim como querem exercer seu legítimo direito à greve, os servidores mobilizados precisam também respeitar a decisão dos colegas de não aderir ao movimento. Muitos por compreenderem que o Poder Executivo de Mato Grosso, por ter ultrapassado a LRF, não tem condições de pagar o RGA que está sendo reivindicado.

 

 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Bispo 17/06/2016

Tem q denunciar na Corregedoria da SEFAZ mesmo. Servidora tentou atropelar os colegas.

positivo
0
negativo
0

Ws 17/06/2016

Edmundo pense bem estes fatos são mais culpa sua, do que dos despreparados que estavam fazendo piquete, cerceamento do direito de ir e vir é crime.

positivo
0
negativo
0

2 comentários

1 de 1

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros