Domingo, 16 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,38
euro R$ 5,76
libra R$ 5,76

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,38
euro R$ 5,76
libra R$ 5,76

Brasil Segunda-feira, 08 de Outubro de 2018, 14:18 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Segunda-feira, 08 de Outubro de 2018, 14h:18 - A | A

Líder do PCC ordenou morte de PM em Paraisópolis, afirma promotoria

CONTEÚDO ESTADÃO
da Redação

O Primeiro Comando da Capital (PCC) sequestrou, torturou e executou a PM Juliane dos Santos Duarte, segundo o Ministério Público Estadual (MPE) de São Paulo. A promotoria ofereceu denuncia contra três pessoas pelos crimes cometidos em agosto em Paraisópolis, na zona sul. Ao menos outros dois suspeitos ainda não foram identificados.

Segundo o MPE, o denunciado Everaldo Severino da Silva Felix, o "Sem Fronteira", que está preso, ocuparia a função de "sintonia" do PCC em Paraisópolis. Após análise de mensagens trocadas por Whatsapp, as investigações concluíram que teria partido dele a ordem de "sumir" com a policial.

Juliane foi dominada em um bar, na Rua Melchior Giola, após ter sido identificada como policial no início de agosto. Segundo a denúncia, ela foi rendida por quatro suspeitos e foi baleada duas vezes na região da virilha.

Dois deses criminosos seriam Felipe Oliveria da Silva, o "Tirulipa", e Elaine Cristina Oliveira Figueiredo, a "Neguinha" -- líder de uma biqueira do PCC na comunidade, de acordo com a promotoria. Ambos também estão presos. Os outros dois suspeitos ainda não foram identificados.

Ferida, a PM teria sido levada para um cativeiro e mantida viva por três dias. Laudos periciais apontam que ela foi vítima de espancamento, ficou em um local molhado e foi obrigada a ingerir álcool e cocaína no cárcere.

Após as buscas pela vítima desaparecida, Juliane foi levada para o porta-malas de um carro e executada com um tiro, à queima roupa, na cabeça.

Todos foram denunciados por homicídio triplamente qualificado (motivo torpe, meio que impossibilitou defesa da vítima e por ser agente de segurança), além de cárcere privado, tortura e formação de organização criminosa.

(Com Agência Estado)

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros