Sábado, 01 de Fevereiro de 2020, 08h:00

Tamanho do texto A - A+

Fim da piracema II

Por: EDUARDO POVOAS

Arquivo pessoal

Eduardo Povoas

Recebi algumas mensagens brabas sobre o que escrevi na semana passada sobre este assunto que confesso-lhes fiquei três dias sem dormir.

Tudo por conta da enorme responsabilidade que depositei na sabedoria do homem pantaneiro em detrimento de muitas opiniões técnicas de engravatados do ar condicionado. 

E vou além. Certo dia um amigo que foi Secretário da Sema me recebeu para conversarmos um pouco sobre peixes. Quando expus o assunto, ele logo mandou chamar um japonês da Sema que segundo ele era a maior autoridade sobre peixes em Mato Grosso.

Perguntei ao japonês ( assumidade no assunto) com quantos centímetros a lei me permitia abater o pacu. Ele mais que depressa respondeu: “com 45 cm”.

Fui além e perguntei: e qual o tamanho que o pacu começa a desovar? Ele me disse: “45 cm”.

Pois bem, disse eu ao japonês, quer dizer que a lei me permite abater as matrizes não é mesmo?

Ele ficou “encurralado” e por alguns segundos engasgado.

Sugeri à ele que aconselhasse todos os fazendeiros do estado a matarem suas matrizes, pois assim, ninguém teria mais um bezerro sequer na sua propriedade. 

Ele me disse que a lei da pesca foi elaborada por estudiosos, com Ph.D. na PQP, na índia, em Nova York, no Japão e sei lá onde mais. Ponderei A ele que para se fazer uma lei desta, que permite ao pescador abater o peixe no auge da sua idade reprodutiva, não precisaria fazer estes bilhões de cursos e sim, ser um pouco mais inteligente.

E fui além, disse à ele o porquê não se permitir o abate do pacu até os 45 centímetros e após os 50 centímetros, respeitando a faixa entre 45 e 50 centímetros?

Ele me disse que enviaria um vasto estudo para minha casa, provando que o estudo sobre a lei da pesca está certo.

Em condições normais de temperatura, pressão e sanidade mental, você concorda?

Pedi que não fizesse isso, mas ele teimou e me enviou. Incinerei tudo pois fique com medo de desaprender.

Voltou pra sala com ar condicionado, seu carimbo afiado na mão, pronto para bate-lo em um papel abaixo da frase: Cumpra-se.

Governador Mauro, suspenda por três anos a pescaria do pacu, e após o terceiro ano, reabra e suspenda a de cachara e pintado, assim no final de seis a nove anos os frutos positivos sobre estas espécies será inevitável.

Sou mais você homem sábio que vive e mora na maior planície alagada do mundo. Sou mais você pantaneiro!

 

(*) EDUARDO PÓVOAS é é odontólogo.


Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei

Leia mais sobre este assunto