Artigos Domingo, 24 de Abril de 2011, 08:00 - A | A

Domingo, 24 de Abril de 2011, 08h:00 - A | A

Bate-boca estéril

Dilma – que está surpreendendo agradavelmente a Nação, por mostrar no desempenho das suas relevantes funções que não é nenhum êmulo lulista -, com sua atuação presidencial pautada por não ser espalhafatosa, vinha fazendo o “serviço” de enterrrar o Lula.

MARIO MARQUES DE ALMEIDA

DIVULGAÇÃO
A bocarrotice de Lula já estava praticamente silenciada e o próprio já ia caindo no esquecimento, com seu palavrório de botequim, agora ressuscitados e ganhando as manchetes da mídia. O homem, que havia se imposto uma quarentena, mandou às favas a moderação e subiu com força nos palanques midiáticos.

E com a mesma gaiatice proverbial de antes e que caracterizou o ex-presidente e seus improvisos chistosos, inclusive em discursos onde, em função do decoro do cargo que exerceu por oito anos, se exigia pompa e formalidade. E nos quais ele sempre dava um jeito de embutir um “caco”, para gargalhada das platéias e sorrisos “amarelos” e envergonhados daqueles mais sensatos que ficavam se lastimando com o deboche.

A postura séria, recatada, solene até, da presidente Dilma Roussef, com seu estilo completamente oposto ao de seu antecessor e “padrinho” político - vinha conseguindo apagar a imagem popularesca de Lula, que voltou à tona, e com todo o gás, em função da “corda” que recebeu – logo de quem?! – de Fernando Henrique Cardoso.

Mamão com açúcar! Era só o que faltava para o Luiz Ignácio nadar de braçadas diante das câmeras, microfones e nas entrevistas de uma imprensa, cada vez mais ávida de matérias sensacionalistas, quesito onde o que faz sucesso e agrada o povão são os temas superficiais e que não se aprofundem naqueles questionamentos, geralmente de elaboração mais complexa, que interessem ao crescimento do debate político ou da elevação cultural.

Quando a discussão desce ao rés do chão, está pronto o terreno que, por sinal, Lula domina como ninguém, por buscar falar, esperta e propositalmente, a linguagem das grandes massas despolitizadas e carentes, não só no aspecto econômico e financeiro, mas, sobretudo, de educação e conhecimento.

Se Fernando Henrique Cardoso não tivesse dado trela – quando deveria ignorá-lo - e respondido às críticas que Lula começou a desferir-lhe em função de artigo publicado recentemente e no qual FHC teceu observações – aliás, corretas e pertinentes – à conduta política equivocada da oposição, que estreita e quer bitolar o seu discurso pelo viés petista, Lula continuaria na ribalta e não teria, tão cedo ou talvez nunca, voltado à cena principal.

Dona Dilma Roussef – que está surpreendendo agradavelmente a Nação, por mostrar no desempenho das suas relevantes funções que não é nenhum êmulo lulista -, com sua atuação presidencial pautada por não ser espalhafatosa, vinha fazendo o “serviço” de enterrar politicamente Lula. Um esforço, pelo jeito, que agora pode ir por água, ou cachaça abaixo...

Fernando Henrique tem razão quando afirma que o seu PSDB e a oposição como um todo estão perdendo tempo para conquistar seguidores em redutos históricos do PT, formados por aqueles segmentos do sindicalismo cevado no erário público e as grandes parcelas da sociedade brasileira que estão atreladas ao PT pelas benesses sociais, como o Bolsa Família, entre outras.

Erra, porém, quando protagoniza com Lula, nesses últimos dias, um bate-boca, que já está se tornando repetitivo, além de chato.

(*) MÁRIO MARQUES DE ALMEIDA é jornalista e Diretor do Jornal/Site Página Única. E-mail: mario@paginaunica.com.br

Os artigos assinados são de responsabilidade dos autores e não refletem necessariamente a opinião do site de notícias www.hnt.com.br

 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros