Sexta-Feira, 22 de Maio de 2020, 17h:25

Tamanho do texto A - A+

Mendes sanciona lei que permite a venda de bebidas alcoólicas em estádios

Por: WELLYNGTON SOUZA

O governador Mauro Mendes (DEM) sancionou uma lei que libera a venda e o consumo de bebidas alcoólicas em estádios mato-grossenses. De autoria do deputado estadual Faissal Calil (PV), a portaria foi publicada nesta quinta-feira (21), no Diário Oficial do Estado.

Edson Rodrigues

arena pantanal

 

No entanto, a venda só poderá ser realizada uma hora e meia antes do início das partidas e até uma hora após o fim do jogo realizado. Além disso, as bebidas deverão também ser comercializadas somente dentro de embalagem descartável, cujo recipiente não ultrapasse 500 ml.

Fica proibida a venda e a entrega de bebida alcoólica a menores de 18 anos, podendo o fornecedor e/ou pessoa física responsável por tais condutas responder civil e criminalmente em caso de descumprimento.

"Caberá aos responsáveis pela gestão dos estádios, arenas desportivas e realização dos eventos a responsabilidade pela fiscalização do cumprimento do dispositivo nesta lei", diz o Artigo 2º da publicação.

O deputado afirmou que a aprovação é uma forma de incentivar a valorização do futebol mato-grossense. “Temos que ajudar o futebol de Mato Grosso, ao invés de atrapalhar, proibir a bebida alcoólica dentro do estádio, é ultrapassar o bom senso”, disse.

O presidente da Federação Mato-grossense de Futebol (FMF), Aron Dresch comemorou a sanção. “Temos que agradecer ao governador Mauro Mendes (DEM) pela sansão da Lei, ao deputado estadual Faissal Calil, autor do projeto de Lei, e ao secretário de Esportes, Allan Kardec (PDT), que tem trabalhado em conjunto conosco para retomarmos o futebol de Mato Grosso”, declarou.

“Todo cidadão que vai ao estádio tem o direito ao entretenimento de forma plena. Proibir o consumo de bebidas é violar esse direito. Para alguns, a bebida é condenada por gerar violência, mas quem gera violência é o ser humano. Portanto, se alguém se descontrola, ele que tem que ser condenado e não toda a sociedade”, declarou Geandre Bucair, um dos dirigentes do Dom Bosco. (Com assessoria)

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei