Quinta-Feira, 10 de Setembro de 2020, 17h:50

Tamanho do texto A - A+

Família de dentista que morreu há um ano cobra justiça

Por: AMANDA DIVINA

A família do dentista Cleodson Alves Figueiredo Filho, 31 anos, cobra justiça, há um ano, pela morte do profissional de saúde. Em um primeiro momento, foi divulgado pela Polícia Civil que ele havia morrido ao se envolver em um grave acidente, na região do "Mata Cavalo", na cidade de Nossa Senhora do Livramento (32 km de Cuiabá). Porém, após a constatação morte, os policiais encontraram marcas de tiro no veículo da vítima, um Hyundai HB20 e diante disso, surgiu a hipótese do assassinato. 

Reprodução

Cleodson Alves Figueiredo Filho

 

O dentista teria batido em um veículo Renault Oroch. Depois da colisão, os dois carros capotaram e pararam às margens da rodovia. Cleodson chegou a ser arremessado. Ele não resistiu aos ferimentos e morreu ainda no local do suposto acidente.

No entanto, dias depois do acidente, os policiais descobriram que Cleodson teria adquirido 142 gramas de ouro. Ele teria sido perseguido pelos supostos criminosos que estavam no Oroch. Logo depois da morte do dentista, os ocupantes do Renault fugiram.

Além disso, peritos da Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) informaram que foram encontradas três marcas de tiro na traseira do carro da vítima. Diante disso, os familiares acreditam na possbilidade de o dentista ter sido assassinado.

"A nossa familia clama por justiça pois grandes são as evidências e linhas de investigaçõs e a polícia não acha os culpados", disse o primo da vítima, Pedro Damasceno ao HiperNotícias.

O familiar ainda disse que no local dos fatos, foi encontrada uma arma que, possivelmente, seria dos criminosos. O primo da vítima ainda afirma que os agentes da Politec não realizaram os trabalhos essenciais de perícia.

"Os peritos se quer fizeram a perícia no veiculo do meu primo. Acharam a arma dos bandidos que se evadiram do local e não periciaram a arma, pode uma coisa desta? Violaram o local do crime, nem isolaram ou tomaram os cuidados para que fossem preservadas as provas", afirmou Pedro.

O que diz a Polícia Civil

O caso está sendo investigado pela Polícia Civil de Várzea Grande. Em comunicado, a corporação informou que as investigações da morte de Cleodson continuam em andamento em inquérito policial instaurado na 3ª Delegacia da cidade.

A assessoria de imprensa informou que durante as diligências do inquérito foram ouvidas mais de dez testemunhas. Entretanto, nenhuma das pessoas ouvidas passaram informações que apontassem um suspeito para o fato.

Diante disso, a Polícia Civil aguarda autorização de algumas medidas judiciais solicitadas e que podem auxiliar as investigações.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei - 1