Sábado, 13 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,43
euro R$ 5,95
libra R$ 5,95

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,43
euro R$ 5,95
libra R$ 5,95

Justiça Segunda-feira, 17 de Outubro de 2022, 11:32 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Segunda-feira, 17 de Outubro de 2022, 11h:32 - A | A

NA 13 DE JUNHO

TJ reduz para 8 anos pena de 'Sandro Louco' por assalto a banco em Cuiabá

Criminoso está detido na PCE para cumprir mais 200 anos de cadeia

RAFAEL COSTA
Da Redação

O Tribunal de Justiça reduziu para oito anos e 10 dias de pagamento de multa a pena do criminoso Sandro da Silva Rabelo, o "Sandro Louco", um dos líderes da organização criminosa Comando Vermelho em Mato Grosso, pela participação em um assalto a banco em Cuiabá. Anteriormente, a sentença de primeiro grau fixou a condenação em nove anos.

A decisão da Turma de Câmaras Criminais Reunidas foi publicada na sexta-feira (14) no Diário da Justiça.

A decisão, no entanto, não deixa Sandro Louco em liberdade. O criminoso cumpre pena de 205 anos e 9 meses na Penitenciária Central do Estado (PCE) pela prática de diversos crimes.

A defesa de Sandro Louco ingressou com revisão criminal no Tribunal de Justiça alegando que a sentença continha erro, uma vez que a pena-base fixada em dois anos acima do lastro mínimo legal foi fundamentada genericamente e violou a legislação no que diz respeito à avaliação dos antecedentes criminais.

O relator do recurso, desembargador Gilberto Giraldelli, apontou ainda que a fundamentação utilizada na sentença para fixar a pena-base não se mostrou adequada, não sendo possível a redução da pena em sede de revisão criminal quando constatada a existência de elementos concretos aptos a justificar a manutenção da carga negativa atribuída às circunstâncias e às consequências do crime patrimonial.

“Isso porque é possível ao Tribunal, mesmo no julgamento de recurso ou ação exclusivamente da defesa, manter a pena aplicada ao réu com base em fundamentos diversos daqueles adotados pelo juiz sentenciante, desde que não seja agravada a situação daquele e seja respeitada a imputação deduzida pelo órgão de acusação”, diz trecho do voto.

O CASO

Consta dos autos que Sandro Louco e Marcio Lemos de Lima, vulgo “Marcinho PCC”, foram condenados porque no dia 11 de junho de 2004, com emprego de arma de fogo, roubaram aproximadamente R$ 40.300 do posto de atendimento bancário do extinto Banco Real [atualmente Banco Santander], anexo ao Hospital Geral Universitário, localizado na rua 13 de junho em Cuiabá.

De acordo com a denúncia do Ministério Público, a dupla agrediu clientes que estavam na agência bancária no momento da ação criminosa.

Ambos ainda desferiram uma coronhada contra um dos funcionários para obrigá-lo a retirar dinheiro do cofre.

Além disso, após a prisão de Sandro e Marcinho, apenas parte do valor roubado - R$ 20.300 - foi recuperada e restituída à instituição financeira.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros