Sábado, 13 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,43
euro R$ 5,95
libra R$ 5,95

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,43
euro R$ 5,95
libra R$ 5,95

Justiça Terça-feira, 11 de Junho de 2024, 19:40 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Terça-feira, 11 de Junho de 2024, 19h:40 - A | A

SOLTO COM TORNOZELEIRA

STJ concede semiaberto a chinês preso em Mato Grosso por tráfico de drogas

Ao analisar o caso, a ministra Daniela Teixeira destacou que o agravamento da pena só pode ser fixado com fundamentação específica, baseado em elementos concretos

DA REDAÇÃO

A ministra Daniela Teixeira, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), concedeu o regime inicial semiaberto para um homem condenado a oito anos de prisão por tráfico de drogas. A decisão reforma a sentença do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), que havia fixado regime inicial fechado para o réu. De nacionalidade chinesa, o homem fala pouco a língua portuguesa e não conseguia se comunicar na unidade em que estava preso.

A magistrada também acolheu o pedido para transferir o réu para a Comarca de Rondonópolis, onde mora com a família. Agora, já sob monitoramento de tornozeleira eletrônica, o réu trabalha com lanches, junto da esposa.

A defesa foi patrocinada pelo advogado Pitágoras Pinto de Arruda, que destacou a importância da reforma da sentença.

“A reforma da sentença foi fundamental para garantir o direito do réu. O cumprimento da pena deve servir, principalmente, para a ressocialização da pessoa e ele estava sendo impedido de usufruir desse direito, já que sequer consegue se comunicar na nossa língua. Agora ele já está no seio familiar, trabalhando e se redimindo perante à sociedade”, explicou.

Pitágoras ainda conta que precisou utilizar um aplicativo de tradução, para se comunicar com o cliente e sua esposa.

Ao analisar o caso, a ministra Daniela Teixeira destacou que o agravamento da pena só pode ser fixado com fundamentação específica, baseado em elementos concretos.

“Ademais, verifica-se que não houve a indicação, por parte do Tribunal de origem, de elemento concreto para a fixação do regime fechado, verificando-se, assim, a ilegalidade em razão da ausência de fundamentação idônea, devendo-se fixar o regime semiaberto para o início de cumprimento de pena”, citou a magistrada.

Após a decisão do STJ, o juiz da 2ª Vara Criminal de Cuiabá, João Francisco Campos de Almeida, já estipulou as medidas cautelares e encaminhou o caso à Comarca de Rondonópolis. O Ministério Público do Estado (MP-MT) não se opôs à transferência.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros