Quinta-feira, 23 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,15
euro R$ 5,58
libra R$ 5,58

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,15
euro R$ 5,58
libra R$ 5,58

Justiça Quarta-feira, 18 de Maio de 2016, 18:19 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quarta-feira, 18 de Maio de 2016, 18h:19 - A | A

"PROVA FANTASMA"

MPE encontra "prova fantasma", mas juíza nega recurso contra Pinheiro

RENAN MARCEL

A juiz Celia Regina Vidotti, da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Ação Popular, negou agravo de instrumento impetrado pelo Ministério Público do Estado (MPE) em uma ação de improbidade administrativa movida contra o presidente da Câmara Municipal de Vereadores de Cuiabá, vereador Julio Pinheiro (PTB).

 

Marcos Lopes/HiperNotícias

Julio Pinheiro/Câmara Municipal/vereador

 

No recurso, o MPE afirma que não encontrou as provas apresentadas pela defesa de Pinheiro no processo, pois o  CD entregue nos autos estava "virgem", ou seja, vazio.

 

Por isso, o órgão pediu à juíza que notificasse o réu para entregar, de fato, as provas, permitindo assim que a promotoria de justiça responsável pela ação possa elaborar as alegações finais.

 

"Houve aparentemente um equívoco por parte do requerido ao juntarem esses documento fisicamente aos autos", aponta o MPE.

 

A defesa de Pinheiro afirma que as provas foram entregues e estão nos autos.

 

"Considerando o recurso de agravo de instrumento interposto pelo Ministério Público, deixo de exercer o juízo de retratação, na forma prevista pelo art. 1.018, §1º, por inexistir, em suas razões, qualquer circunstância fática ou legal inovadora e suficiente para modificar a decisão que proferi, negando a liminar pretendida", diz a juíza na decisão, proferida no dia 12 de maio.

 

Na ação, o Ministério Público acusa Pinheiro de desrespeitar e não cumprir ordem judicial, da própria Vidotti, que havia determinado redução no valor pago a título de verba indenizatória para os vereadores da Casa de Leis municipal.  Segundo o MPE, Pinheiro teria maquiado o pagamento integral da verba.

 

 "Em análise aos relatórios do sistema APLIC e ordens de empenho é possível verificar que os pagamentos da verba indenizatória foram fracionados, sendo parte realizada por meio de ordem bancária e parte em cheques, sendo um no valor de R$13 mil e outro no valor de R$12 mil, totalizando R$25 mil", diz trecho da denúncia. O valor que deveria ser pago, em cumprimento à ordem judicial que reduziu a verba, era de R$ 15 mil.

 

O MPE pediu o afastamento de Júlio Pinheiro da presidência da Mesa Diretora. Mas o pedido foi negado pela magistrada em março. Segundo ela, é necessário ter provas concretas de que o vereador pode atrapalhar a instrução processual.

 

" Verifica-se que o Ministério Público apenas aventou uma possibilidade, uma conjectura de que o requerido poderia interferir negativamente na instrução desse feito", disse a juíza ao negar o afastamento de Pinheiro.

 

 

A ação também pede o ressarcimento ao erário em R$ 1,1 milhão.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros