Segunda-feira, 24 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,42
euro R$ 5,81
libra R$ 5,81

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,42
euro R$ 5,81
libra R$ 5,81

Justiça Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018, 11:30 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018, 11h:30 - A | A

PREJUÍZO DE R$ 2,3 MILHÕES

MPE denuncia Faiad e Nunes Cordeiro por fraude em licitação

LEONARDO HEITOR

Dois ex-secretários da gestão do ex-governador Silval Barbosa foram denunciados pelo Ministério Público Estadual (MPE) por atos de improbidade administrativa. Além deles, o órgão ministerial também incluiu outras cinco pessoas na acusação por fraude em licitação, que teria gerado um prejuízo de R$ 2,3 milhões aos cofres públicos.

 

Alan Cosme/HiperNoticias

frascisco faiad

Advogado Francisco Faid era chefe da SAD 

Francisco Faiad, ex-secretário de Administração, e José Nunes Cordeiro, ex-adjunto da pasta, foram denunciados juntamente com Dorlete Dacroce, João Bosco da Silva, Alessandro Francisco Teixeira Nogueira, Elton Vinícius Brasil Diniz, e Jackson Willian de Arruda, os três últimos, sócios da JVA Logística, Transportes e Cargas e Armazéns Ltda.

 

A fraude teria ocorrido, segundo o MPE, em um pregão realizado em 2013 pela extinta Secretaria de Estado de Administração (SAD). De acordo com o órgão ministerial, houve direcionamento da contratação da empresa, sobrepreço na licitação e superfaturamento na execução dos contratos, gerando um prejuízo total de R$2.328.871,98. Por conta dos contratos, duas secretarias tiveram prejuízos: de Educação (Seduc) e de Ciência e Tecnologia (Secitec). 

 

Segundo o órgão miniserial, a Advocacia Geral do Estado (AGE) comprovou a fraude de documentos no processo licitatório, em especial os atestados de capacidade técnica da empresa, relatando, inclusive, que a empresa, supostamente, integraria uma organização criminosa, por transmitir a nítida impressão de que seria uma empresa de “fachada”, já que local onde “funcionava” não comportaria um depósito e o número de funcionários seria incompatível com suas atividades.

 

"Enquanto autoridade máxima da Pasta da administração estadual, com vasta experiência no âmbito da gestão pública, em tese, o menos com dolo genérico, agiu e/ou omitiu-se o Secretário de Estado de Administração na época, o demandado Francisco Faiad, pois adjudicou e homologou o resultado do procedimento licitatório, além de não ter atendido a recomendação da AGE/MT de anulação do processo, concorrendo para os danos ao erário e o enriquecimento de terceiros", aponta o MPE, sob a conduta de Faiad no processo licitatório.

 

A promotora de Justiça Audrey Ility, que assina a denúncia, apontou que os sócios da JVA teriam, ao apresentar documentos inverídicos para a contratação da empresa, manipulado a planilha de valores mediante informação privilegiada, além de terem recebido valor calculado acima do registrado na ata de preços, visando enriquecimento sem causa, causando lesão ao erário. 

 

Na denúncia, o MPE pediu o ressarcimento integral do prejuízo, além da proibição da empresa em contratar com o poder público ou receber incentivos fiscais por cinco anos. Também foi requisitada a suspensão dos direitos políticos e a perda da função pública dos servidores públicos. O órgão ministerial também requereu o pagamento de multa equivalente a duas vezes o valor desviado, ou seja, R$ 4,6 milhões.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros