Sábado, 18 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,11
euro R$ 5,55
libra R$ 5,55

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,11
euro R$ 5,55
libra R$ 5,55

Justiça Quarta-feira, 15 de Maio de 2024, 15:57 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quarta-feira, 15 de Maio de 2024, 15h:57 - A | A

PENA DE 48 ANOS

Ministro nega sétima tentativa de padre condenado por estupro de sair da prisão

Conforme a decisão, Nelson Koch está submetido à prisão preventiva para garantia da ordem pública, como foi ratificado nas outras seis decisões sobre os pedidos de habeas corpus

RAYNNA NICOLAS
Da Redação

O ministro Ribeiro Dantas, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou novo pedido de habeas corpus do padre Nelson Koch, condenado a 48 anos de prisão em outubro de 2022 por estuprar e importunar sexualmente crianças e adolescentes no interior de Mato Grosso. Essa é a sétima vez que o religioso tenta se livrar da prisão. 

No recurso, a defesa de Koch sustentou que ele estaria em indevida execução provisória da pena e que, somado à probabilidade de êxito do recurso especial para que responda em liberdade, o habeas corpus deveria ser deferido. O advogado do padre também tentou emplacar a tese de que o pedido não se confunde com os impetrados anteriormente. 

LEIA MAIS: Juiz nega a padre condenado por estupro de menores pedido de trabalhar fora da cadeia

No entendimento do ministro Ribeiro Dantas, ao contrário do que alegou a defesa, Nelson Koch não está em execução provisória de pena. Segundo o relator, Nelson Koch está submetido à prisão preventiva para garantia da ordem pública, como foi ratificado nas outras seis decisões sobre os pedidos de habeas corpus. 

"Ou seja: não se tem, aqui, uma execução provisória do acórdão condenatório, a ser obstada pela concessão de efeito suspensivo ao recurso especial, pois o acusado se encontra preso preventivamente, conforme o permissivo do art. 312 do CPP. Colocar o réu em liberdade só seria possível com a revogação da custódia cautelar, o que já foi negado neste STJ em 6 ocasiões distintas", escreveu o ministro. 

"Esta petição é, em suma, somente uma sétima tentativa de reverter a prisão preventiva, em autos diversos dos 6 writs já rejeitados por este Tribunal. Ante o exposto, indefiro o pedido", conlcuiu.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros