Terça-feira, 25 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,39
euro R$ 5,79
libra R$ 5,79

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,39
euro R$ 5,79
libra R$ 5,79

Justiça Terça-feira, 21 de Maio de 2024, 11:15 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Terça-feira, 21 de Maio de 2024, 11h:15 - A | A

ROMBO DE R$ 20 MILHÕES

Juiz mantém ex-deputados, empresários e ex-servidor réus em três ações da "máfia das gráficas"

Defesa do ex-deputado Sérgio Ricardo de Almeida tentava estender os benefícios do ANPC firmado pela Editora Defanti para encerrar os processos

RAYNNA NICOLAS
Da Redação

O juiz Bruno D'Oliveira Marques, da Vara Especializada de Ações Coletivas, manteve três processos distintos que tratam do esquema de desvio de dinheiro na Assembleia Legislativa, que ficou conhecido como 'máfia das gráficas'. Decisões foram publicadas nesta terça-feira (21). As ações apuram fraudes envolvendo as gráficas Print, Editora Defanti e, por último, a WM Comunicação Visual. Os prejuízos, na época, foram estimados em cerca de R$ 3 milhões nos casos da Print e da Defanti e R$ 1,2 milhão no caso da WM. O rombo somado ultrapassa R$ 20 milhões.  

Nas ações, a defesa do ex-deputado Sérgio Ricardo pleiteava a extensão do Acordo de Não Persecução Cível (ANPC) firmado entre o Ministério Público de Mato Grosso (MPMT) e a Editora Defanti e Jorge Luiz Defanti. O pacto que retirou Defanti da lista de réus atinge ações que tratam do escândalo. Caso o acordo fosse estendido, seriam beneficiados também o ex-deputado Mauro Savi, o ex-secretário da AL, Luiz Márcio Pommot e os empresários Dalmi Defanti Junior e Hélio Resende Pereira.

Semelhantemente ao que já tinha decidido no caso da Editora Liz, Bruno D'Oliveira Marques negou os pedidos. Isso proque, conforme o magistrado, o acordo firmado por Jorge Luiz Martins Defanti e a Gráfica Defanti foi estabelecido proporcionalmente à responsabilidade dos compromissários. 

Jorge Luiz Martins Defanti e a empresa dele, a Editora Defanti, concordaram em devolver R$ 2,5 milhões para se livrar dos processos relativos ao escândalo da 'máfia das gráficas'.

A farsa consistia na contratação de empresas para aquisição de materiais gráficos superfaturados ou que nunca seriam entregues. Parte do valor pago às empresas que participavam do esquema era devolvido aos deputados que operavam esquema de 'mensalinho' na AL. 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros